Usuários Online

RÁDIO CIDADE AO VIVO

quarta-feira, junho 14, 2017

[VÍDEO] MÁRCIA MAIA DESMENTE BOATOS SOBRE A MORTE DE SUA MÃE


A deputada Estadual Márcia Maia (PSDB) desmentiu na imprensa da capital boatos sobre o falecimento da mãe, a ex-governadora e atual vereadora Wilma de Faria. Márcia informou que a mãe teve uma piora por conta de uma infecção, e que seu estado de saúde requer cuidados.
"Os comentários na cidade de que ela não está mais entre nós não correspondem a verdade. Ela tá lutando pela vida da mesma forma como sempre lutou", disse a deputada.
A vereadora de Natal se afastou da Câmara Municipal de Natal, para dar continuidade ao tratamento contra um câncer.


Fonte: Ismael Souza
Leia Mais ››

Atirador invade treino de beisebol e fere líder republicano na Virgínia, nos EUA

Steve Scalise, em foto de 17 de maio de 2017, em Washington  (Foto: AP Photo/Alex Brandon)

Um atirador invadiu um treino de beisebol do time do Congresso americano nesta quarta-feira (14) e feriu o líder republicano Steve Scalise e outras quatro pessoas, em Alexandria, na Virgínia (Estados Unidos). A Polícia Federal americana (FBI) assumiu a investigação.
O presidente americano, Donald Trump, informou que o atirador morreu. O suspeito foi identificado por autoridades americanas como James T. Hodgkinson, natural de Belleville (Illinois). Ele foi atingido na troca de tiros com policiais. Para o FBI, ainda é cedo dizer que Scalise, deputado de Louisiana, era o alvo do ataque.
Scalise, que é líder do Partido Republicano na Câmara, passou por uma cirurgia e está em estado crítico. O serviço médico transportou cinco pessoas até o hospital, mas as vítimas não foram identificadas. Dois dos feridos são policiais e também não correm risco de morrer.

James T. Hodgkinson, suspeito de ser o atirador que deixou feridos na Virginia, nos EUA (Foto: Facebook via AP)
James T. Hodgkinson, suspeito de ser o atirador que deixou feridos na Virginia, nos EUA (Foto: Facebook via AP)

A CNN, citando o senador Jeff Flake, afirmou que o lobista Matt Mika está entre os feridos, mas a informação não foi confirmada oficialmente.
Entre 15 e 25 congressistas estavam no local no momento do incidente, acompanhados por assessores e seguranças. O deputado republicano Mo Brooks, do Estado de Alabama, afirmou que, com os disparos, as pessoas correram.

Presidente dos EUA, Donald Trump, e congressista republicano, Steve Scalise (à esq.)  (Foto: JIM WATSON / AFP)
Presidente dos EUA, Donald Trump, e congressista republicano, Steve Scalise (à esq.) (Foto: JIM WATSON / AFP)

"Um dos nossos guarda-costas atirou de volta, mas era a nossa pistola contra o fuzil do agressor. A única arma que eu tinha era um taco de beisebol", disse Brooks, que ajudou a fazer um torniquete com seu cinto em um membro da equipe dos parlamentares atingido na perna.
Mo Brooks, que viu o suspeito rapidamente, afirmou à CNN que ele parece ser um homem branco, "um pouco gordinho".
O senador republicano Jeff Flake disse à televisão local ABC-TV que o agressor também levou um tiro.
O time de beisebol do Congresso treinava para um jogo beneficente marcado para a noite de quinta-feira (15).
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou estar “profundamente triste” com o incidente envolvendo seus colegas de partido e disse que acompanha de perto o incidente."Um verdadeiro amigo e patriota, foi gravemente ferido, mas vai se recuperar completamente. Nossos pensamentos e oraçãoes estão com ele", afirmou no Twitter.
Hodgkinson tinha 66 anos e era militante de esquerda. Segundo informações da Reuters, ele atacava com frequência o presidente americano, Donald Trump, nas redes sociais, e idolatrava Bernie Sanders, o único político que entendia a classe trabalhadora, segundo sua visão.
De acordo com a Reuters, Sanders se manifestou nesta quarta por meio de um comunicado, e disse que o suposto atirador "aparentemente se voluntariou" em sua campanha presidencial. Ex-candidato nas primárias democratas e líder da esquerda dos Estados Unidos, ele condenou o tiroteio e afirmou que o ato de Hodgkinson foi "desprezível".
"Acabo de ser informado que o atirador é alguém que aparentemente foi voluntário da minha campanha presidencial. Deixem-me ser o mais claro o possível: a violência de qualquer tipo é inaceitável na nossa sociedade, e condeno essa ação nos termos mais contundentes possíveis", disse o senador.
"Trump é um traidor. Trump destruiu a nossa democracia. Chegou a hora de destruir Trump e companhia", escreveu em março o atirador em sua página no Facebook. Seu histórico nas redes sociais mostra uma série de crítcas severas aos políticos republicanos nos EUA.
De acordo com a mesma página, James Hodgkinson era originário de Belleville, subúrbio de St. Louis. Segundo sua esposa, citada pela emissora ABC, o homem havia se mudado há dois meses para Alexandria, cidade do estado da Virgínia, onde o ataque aconteceu.
Hodgkinson era dono de um negócio de inspeção de residências cuja licença venceu em novembro do ano passado e não foi renovada.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Tiroteio em empresa de encomendas nos EUA deixa 4 mortos; atirador se suicidou

Polícia evacuou o prédio após disparos  (Foto: Stephen Lam TPX IMAGES OF THE DAY/Reuters)

Quatro pessoas morreram após tiros serem disparados pouco antes das 9h (13h, em Brasília) na unidade da empresa de encomendas UPS em San Francisco, nos Estados Unidos, segundo entrevista de Toney Chaplin ao jornal local "San Francisco Chronicle", chefe assistente da polícia. O policial também informou que duas outras pessoas foram feridas.
Ainda de acordo com Chaplin, o atirador está entre os mortos - ele disparou contra si mesmo quando a polícia chegou. O nome das vítimas não foi divulgado.
O prédio é localizado a cerca de 4 quilômetros do centro da cidade, na área de Potrero Hill. Em entrevista à AP, o diretor do Hospital Geral Zuckerberg, disse que recebeu algumas das vítimas, mas não informou exatamente o número de feridos. A polícia de San Francisco confirmou a operação.

Tiroteio ocorreu a cerca de 4 quilômetros do centro da cidade (Foto: Associated Press)
Tiroteio ocorreu a cerca de 4 quilômetros do centro da cidade (Foto: Associated Press)

Em nota, a UPS confirmou o tiroteio envolvendo quatro funcionários durante a manhã. Eles dizem que as forças locais estão conduzindo uma investigação. A empresa também disse que não pode passar informações e identificar as pessoas envolvidas até o momento, já que está pendente para a investigação da polícia.
Um morador próximo postou uma foto do que seriam funcionários no telhado do local do incidente:

Fonte: G1
Leia Mais ››

Ex-procuradores da República dizem que Lula não interferiu no trabalho da PGR

Lula é réu na Operação Lava Jato (Foto: André Penner/AP)

Antônio Fernando Barros e Silva de Souza e Cláudio Lemos Fonteles, ex-procuradores-gerais da República, disseram que o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não interferiu no trabalho da Procuradoria-Geral da República (PGR).
Os dois prestaram depoimento à Justiça Federal do Paraná na manhã desta quarta-feira (14) por videoconferência com Brasília (DF). Eles foram arrolados como testemunhas de defesa de Lula, que é réu nesta ação penal da Operação Lava Jato.
"Nunca, em nenhum momento, houve qualquer pedido direto ou indiretamente sobre as atividades que eram da minha atribuição nem de outros colegas do Ministério Público", afirmou Antônio Fernando Barros e Silva de Souza.
O ex-procurador ganhou notoriedade no cargo ao apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a denúncia que levou às condenações do mensalão.
Antônio Fernando Barros e Silva de Souza ainda disse que houve "mecanismos de aprimoramentos" nos órgãos do governo federal que combatem à corrupção durante a gestão de Lula.
Cláudio Lemos Fonteles, que foi procurador-geral da República entre os anos de 2003 e 2005, falou sobre a indicação do então presidente Lula, pouco depois de assumir o mandato, para que ele assumisse o cargo.
De acordo com Cláudio Lemos Fonteles, Lula respeitou a autonomia do Ministério Público da União ao nomeá-lo após a Associação Nacional dos Procuradores ter feito uma lista, em que ele foi colocado em primeiro lugar. "O presidente confirmou a vontade da classe", pontuou.
Cada um dos ex-procuradores-gerais falou por cerca de seis minutos, respondendo às perguntas de Cristiano Zanin Martins, um dos advogados de Lula.
Bate-boca
Durante o depoimento do ex-diretor da Polícia Federal (PF) Luiz Fernando Correa, também arrolado como testemunha de defesa do ex-presidente, houve uma breve discussão entre Cristiano Zanin Martins e o juiz federal Sérgio Moro, que é o resposável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância.
"Desde o início desse depoimento, o doutor só fez perguntas que já foram feitas, então, vamos às perguntas complementares", falou Sérgio Moro.
O advogado então disse que o Ministério Público Federal (MPF) fez o mesmo. Neste momento, a procuradora do MPF Isabel Cristina Groba Vieira interveio e negou a afirmação feita por Cristiano Zanin Martins, alegando que fez apenas questões complementares.
Sérgio Moro chegou a perguntar ao advogado: "Tem perguntas novas para a testemunha ou nós estamos perdendo tempo novamente?".
Por meio de nota, Cristiano Zanin Martins afirmou que, na audiência desta quarta-feira, houve novamente o "cerceamento ao diretio de defesa e o desrespeito à atuação dos advogados". *Leia abaixo a nota na íntegra.
Antes do bate-boca, o ex-diretor da PF afirmou que Lula incentivou as ações de repressão e de prevencão à criminalidade, além de "pontecializar a evolução da Polícia Federal".
Leia a nota do advogado de Lula na íntegra
"O cerceamento ao direito de defesa e o desrespeito à atuação dos advogados mais uma vez se fez presente hoje (14/06) em audiência na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, relativa à Ação Penal 5063130-17.2016.4.04.7000.
O juiz Sérgio Moro interrompeu o trabalho da defesa de Lula na oitiva do ex-diretor geral da Polícia Federal Luiz Fernando Correa, exatamente quando o depoente, na mesma linha dos ex-procuradores gerais da República Claudio Fontelles e Antonio Fernando Barros, também ouvidos hoje, discorria sobre o estímulo e condições materiais propiciados pelo então Presidente Lula no combate à corrupção e a lavagem de dinheiro.
É preciso registrar que o Juízo tem permitido, nas demais audiências, que o Ministério Público Federal (MPF) formule perguntas na mesma linha de outras já feitas anteriormente às testemunhas de acusação - em audiências referentes à Ação Penal 5046512-94.2016.4.04.7000/PR - notadamente em relação aos delatores. Moro afirmou que indeferia o questionamento porque tais perguntas já haviam sido respondidas em outra ação e que sua continuidade resultaria em "perda de tempo".
A realidade é que o Juízo impediu a defesa de reforçar aspectos relevantes, que desmentem o cenário de "corrupção sistêmica" afirmado pelo MPF.
Diante da falta de provas que se verifica na acusação à Lula, é lamentável que o Juízo recorra a tais expedientes e, junto com a representante do MPF manifeste comportamento tão desrespeitoso à defesa. Mais uma vez se atenta contra as prerrogativas profissionais, à participação do advogado na administração da Justiça, como assegura a Constituição Federal (art. 133) e as regras internacionais da magistratura, dos procuradores e dos advogados. Tal conduta fere igualmente as garantias fundamentais do ex-Presidente Lula."
Ação penal
Nesta ação penal, o MPF acusa o ex-presidente Lula de receber como propina um terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do petista, em São Bernardo do Campo (SP).
De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, esses imóveis foram comprados pela Odebrecht em troca de contratos adquiridos pela empresa na Petrobras.
Lula responde, neste processo, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Outras sete pessoas também são rés. A ex-primeira dama Marisa Letícia chegou a ser acusada. Contudo, Moro decretou a impossibilidade de puni-la. Marisa Leticia morreu em fevereiro deste ano.
O ex-presidente nega as acusações, e o Grupo Odebrecht tem afirmado que tem colaborado com as investigações. Instituto Lula afirmou que "nunca teve outra sede a não ser o sobrado onde funciona até hoje, adquirido em 1990 pelo Instituto de Pesquisas e Estudos do Trabalhador (Ipet)".

Fonte: G1
Leia Mais ››

Celso de Mello nega pedido do governador do MS para anular delação da JBS


O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou um pedido do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), para anular a delação premiada da JBS, homologada em maio pelo ministro Edson Fachin.
No pedido, o tucano apontava ilegalidade na celebração do acordo de colaboração, por conta de uma suposta omissão do Ministério Público em oferecer denúncia contra os donos da empresa, que integrariam uma “organização criminosa”.
Na decisão, Celso de Mello sequer admitiu a tramitação do pedido, por entender que o habeas corpus – tipo de ação utilizada – não pode contestar decisão de outro ministro, muito menos para questionar o acordo de colaboração.
O ministro também entendeu que o governador não poderia questionar a homologação, nem haveria condições, na ação, para avaliar os casos narrados no acordo.
“A pretensão dos impetrantes, nos moldes em que deduzida, imporia necessária análise da prova e importaria em aprofundada investigação dos fatos subjacentes às alegações por eles feitas, o que se revela inadmissível – como anteriormente assinalado – na via angusta e sumaríssima do habeas corpus”, escreveu.
Segundo os delatores da JBS, Azambuja e o ex-governador André Puccinelli, receberam R$ 150 milhões entre 2007 e 2016 em troca de benefícios fiscais para a empresa.
Como governadores não são processados no STF, Edson Fachin enviou as informações para o Superior Tribunal de Justiça (STJ).
No início do mês, Azambuja também pediu que Fachin deixe a relatoria do caso, o que deverá ser decidido no plenário do STF, em data ainda indefinida.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Homem que filmou adolescente sendo tatuado na testa já cumpriu pena por roubo

Ronildo Moreira de Araújo (à esquerda) filmou  Maycon Reis (à direita) tatuando a testa do adolescente de 17 anos (Foto: Reprodução/Polícia civil)

O pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, 29 anos, que filmou o tatuador Maycon Reis marcando a testa de um adolescente de 17 anos com a tatuagem "eu sou ladrão e vacilão" já cumpriu pena de 5 anos e 4 meses por roubo, em regime semi-aberto.
Segundo a Polícia Civil, a ideia de tatuar o rosto do menino teria se originado pela indignação dos dois por terem flagrado o adolescente tentando furtar uma bicicleta, em São Bernardo do Campo, na sexta-feira (9).
O crime foi cometido por Ronildo no Butantã, na Zona Oeste de São Paulo e condenação promulgada em 22 de novembro de 2008. Naquela ocasião ele e o comparsa Wagner Jesus do Nascimento foram presos em flagrante após roubarem a bolsa de uma mulher "mediante grave ameaça", levando os cartões bancários, o telefone celular e objetos pessoas de uma mulher.
O rapaz de 17 anos negou ao G1 que tenha tentado furtar a bicicleta de um deficiente físico, como alegaram Ronildo e Maycon. "Eu estava bêbado, esbarrei na bicicleta e ela caiu", afirmou (assista abaixo).
Na tarde de sábado (10), a juíza Inês Del Cid, da Vara Criminal de São Bernardo do Campo, decretou a prisão preventiva dos dois.
O adolescente tem duas passagens por ato infracional, a primeira em 2012, quando teria entrado em um supermercado para furtar comida. A segunda, em 2017, ele teria entrado em um estabelecimento comercial. Sobre este ato infracional, ele deveria comparecer a uma audiência da Vara da Infância e da Juventude, mas o procedimento jurídico foi adiado por conta do caso.
A tortura teria ocorrido na pensão onde os dois homens alugaram um quarto. Eles foram indiciados pelo crime e alegaram, à polícia civil, que queriam dar uma "punição" ao menino sob a alegação de que ele tentou furtar a bicicleta de um deficiente físico.
De acordo com o boletim de ocorrência, Maycon confirmou à polícia ser "o tatuador que aparece nas imagens que circulam nas redes digitais". Ronildo afirmou "ser o responsável pela gravação das imagens".
O ambulante Ademilson de Oliveira, de 31 anos, dono da bicicleta que seria pivô da agressão ao adolescente que teve a testa tatuada em uma pensão em São Bernardo do Campo, condenou a atitude do tatuador e seu comparsa. "Não consegui dormir pensando nisso. fui dormir com medo, meu coração apertado, chorei nessa noite", afirmou Oliveira, que é deficiente físico e vive de vendas e do dinheiro que pede no semáforo.

Calor da emoção
A mãe do tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, de 27 anos, disse em entrevista ao G1 que o filho está arrependido por ter tatuado a testa de um adolescente de 17 anos com a frase "Sou ladrão e vacilão". "Ele é um bom menino. Ele simplesmente, em uma atitude de nervosismo, agiu de maneira errada. Agiu por impulso, no calor da emoção."

Tratamento
O adolescente que teve a testa tatuada foi internado na tarde desta terça-feira (13) em uma clínica particular no interior de São Paulo. O local não será divulgado para que o menino consiga ter "paz" para o tratamento e se recuperar do vício em álcool e drogas. O procedimento para retirada tatuagem será avaliada nos próximos dias.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Em rede social, Bruno Henrique anuncia acordo com o Palmeiras

Bruno Henrique anunciou acordo com o Palmeiras em rede social (Foto: Reprodução/Instagram)

O Palmeiras ganhou mais um reforço: o volante Bruno Henrique, ex-Corinthians e que estava no Palermo, da Itália. O jogador de 27 anos foi contratado em definitivo por 3,5 milhões de euros (cerca de R$ 13 milhões) e assinou vínculo até 2020.
O próprio Bruno Henrique anunciou o acordo no Instagram, na conta da OTB Sports, agência que administra sua carreira. Ele até reproduziu uma frase em italiano que faz parte da história do Palmeiras:
– E aí, torcida palmeirense. Estou chegando para ser campeão com vocês e estou muito feliz por isso. Scoppia che la vittoria è nostra. Avanti, Palestra.
O Palmeiras ainda não divulgou a data da apresentação de Bruno Henrique, mas o volante chega com a missão imediata de substituir Felipe Melo, que passou por cirurgia na mão e ficará pelo menos seis semanas sem jogar e tem mais quatro jogos de gancho na Libertadores.
Além de Bruno Henrique, o Palmeiras tem outros três novos jogadores que podem vir a ser inscritos na Libertadores: o lateral Mayke e os zagueiros Juninho e Luan. Mas só é possível fazer três substituições na lista inicial de inscritos. Vitor Hugo, Alecsandro e Rafael Marques deixaram o clube e serão os jogadores substituídos para a fase de oitavas de final. Se avançar até a semifinal, o Palmeiras terá direito a fazer mais três alterações na lista.

Fonte: Globo Esporte
Leia Mais ››

Senado autoriza uso de parte de imóvel rural como garantia em empréstimo


O Senado aprovou nesta quarta-feira (14) projeto que permite a um produtor utilizar parte de seu imóvel rural como garantia ao solicitar empréstimo bancário.
A medida já havia sido aprovada pela Câmara em 2015, mas foi modificada pelos senadores, por isso, volta para nova análise dos deputados.
A proposta possibilita que o produtor rural constitua o chamado patrimônio de afetação. Isso separa a terra – e as construções e maquinismos nela contidos – do restante de seu patrimônio.
Dessa forma, o produtor não precisará comprometer toda sua propriedade para obter empréstimo.
Para o relator do projeto, senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), a medida proporcionará ao produtor rural “mais facilidade” e “custo mais baixo” na obtenção de financiamento para a sua atividade.
“Espera-se que com a medida proposta os recursos destinados para a atividade rural sejam menos escassos e menos rígida a concessão de crédito para o setor”, afirma Caiado em seu relatório.
Contrapartidas
O produtor rural que constituir o patrimônio de afetação deverá, segundo o projeto, seguir algumas regras na terra utilizada como garantia de empréstimo:
praticar todos os atos necessários à boa administração e preservação;
manter o pagamento de tributos e encargos fiscais, previdenciários e trabalhistas;
responder por eventuais prejuízos que causar ao imóvel rural.
Além disso, a proposta estabelece que o produtor rural que apresentar registros falsos sobre a extensão ou características do imóvel rural utilizado como garantia de empréstimo poderá ser condenado por crime de estelionato.
Título de crédito
O texto também institui a Cédula Imobiliária Rural, uma espécie de título de crédito, para delimitar o patrimônio utilizado como garantia em empréstimo.
Com a cédula, o produtor poderá obter recursos junto a credores ou usar o título como garantia de pagamento de dívida em dinheiro.
Pela proposta, a CIR só poderá ser negociada nos mercados de bolsa de valores e de balcão; e não em mercados não-organizados.
Os senadores alteraram a proposta para determinar que o produtor rural deverá emitir a cédula em até 90 dias depois da inscrição do termo de afetação no registro de imóveis.
Caso contrário, o documento perderá o efeito e o produtor rural não poderá realizar nova afetação do patrimônio no prazo de um ano.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Gecoc faz operação contra desvio de recursos na área da saúde em Alagoas

Operação cumpriu sete mandados de busca e apreensão, expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital. (Foto: Divulgação/MP-AL)

Uma operação policial cumpriu mandados de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira (14) para desarticular um esquema de desvio de recursos na área da saúde. As buscas foram feitas nas prefeituras de Passo de Camaragibe, Girau do Ponciano e Mata Grande, além de três residências e uma empresa de Arapiraca.
A ação ganhou o nome de "Sepse", que significa infecção generalizada e foi realizada pelo Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) cumpriu sete mandados de busca e apreensão, expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital.
As investigações começaram no mês de março pelo Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal e aos Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Conexo (Gaesf), mas foram transferidas para o Gecoc porque um homem passou a ser suspeito de integrar uma organização criminosa.
Em depoimento prestado ao Ministério Público, esse homem, que não foi identificado, resolveu colaborar com as investigações. Ele contou que foi convencido por um empresário a montar uma empresa de fachada com o objetivo apenas de vender notas fiscais frias em troca de uma determinada quantia em dinheiro.
A empresa deveria fornecer, supostamente, medicamentos para as prefeituras de Mata Grande, Passo do Camaragibe e Girau do Ponciano. No entanto, ela jamais vendeu os remédios, apesar de emitir nota fiscal em valores que, do segundo semestre de 2016 até o início deste ano, já ultrapassaram R$ 2 milhões.
Segundo o Gecoc, a empresa “fantasma”, chamada RR Distribuidora, começou a operar em julho de 2016. Ela emitia notas fiscais a pedido do empresário. As investigações descobriram que na empresa nunca foi realizada qualquer compra.
Segundo o MPE/AL, o homem que prestou depoimento confessou que os produtos que deveriam ser adquiridos pelas prefeituras eram remédios destinados a pacientes de baixa renda.
As fraudes teriam ocorrido em gestões passadas dos municípios onde foram feitas buscas. Os nomes dos suspeitos de envolvimento no esquema foram mantidos em sigilo e as investigações continuam.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Seis presos ficam feridos durante motim no complexo prisional de Itaitinga, na Grande Fortaleza


Seis presos ficaram feridos durante um motim ocorrido na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II), em Itaitinga, Região Metropolitana de Fortaleza. Agentes penitenciários da unidade relataram na manhã desta quarta-feira (14) que os presos queimaram colchões e quebraram celas da unidade.
A Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) informou que agentes plantonistas e do Grupo de Ações Penitenciárias Especiais (Gape) foram acionados e controlaram a situação ainda na noite de terça-feira (13), quando o motim foi iniciado. A fumaça de um princípio de um princípio de incêndio causado pelos colchões queimados ainda estava presente na unidade nesta manhã.
Em nota, a Sejus ressaltou que os presos que ficaram feridos foram levados para o hospital. Outros detentos tiveram pequenos ferimentos e foram tratados na própria unidade prisional.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Professora é suspeita de agredir alunos de 8 anos na sala de aula em Barretos, SP

Boletim de ocorrência registrado por diretor de escola em Barretos relata comportamento agreesivo da professora (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)

Uma professora de 39 anos é investigada por suspeita de agredir alunos de 8 e de 9 anos na Escola Municipal Leodete Silvério Joi, em Barretos (SP). Segundo a Polícia Civil, imagens das câmeras de segurança da sala de aula mostram a mulher, que é estagiária, empurrando e sacudindo as cabeças dos estudantes, dando tapas e jogando giz contra eles. Entre as vítimas está um menino com deficiência intelectual.
Procurada, a professora não foi localizada para comentar o assunto. Ela deve prestar depoimento à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) nos próximos dias.
A Secretaria Municipal de Educação informou que a professora foi afastada do cargo.
Denúncia
O caso chegou à polícia depois que o pai de um dos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental procurou a direção da unidade para denunciar o comportamento agressivo da professora. De acordo com o boletim de ocorrência, o filho dele contou que tinha apanhado na sala de aula.
Ao verificar os vídeos da câmera de segurança da sala, o diretor da instituição confirmou as agressões e apresentou as imagens à Polícia Civil. Segundo as informações passadas ao delegado Antônio Alício Simões Junior, a professora belisca a bochecha de um aluno, e na sequência, empurra as cabeças de uma menina e de um menino. Cerca de 15 minutos depois, a mulher puxa a orelha e sacode a cabeça de uma quarta criança, que ainda recebe tapas. A funcionária também atira giz na direção dos alunos.
De acordo com o diretor, um dos estudantes agredidos tem deficiência intelectual. Outra criança foi submetida a exame no Instituto Médico Legal (IML) devido a um ferimento causado na bochecha.
Mãe de uma das vítimas, Aiara Cristine da Silva diz que o comportamento da professora é revoltante. “É inadmissível, inaceitável. A gente trabalha, deixa o filho na escola achando que lá ele está seguro, e não está. As imagens dizem tudo.”
Segundo Aiara, o filho contou que levou um tapa na cabeça depois que riu de um puxão de orelha dado pela professora no colega. “Ele é criança, de 8 anos, acha engraçado. Foi onde ela pegou e deu um tapa na cabeça dele. O diretor falou pra mim que ela segurou a cabeça dele firme. Eu quero que ela seja punida”, diz.
Para o delegado, as imagens não deixam margem para contestação. “É uma prova indiscutível, visível. Existem os crimes de vias de fato e de maus-tratos, uma vez que os alunos estavam sob a coordenação dela”, diz Simões Júnior.
Educação repudia comportamento
De acordo com a secretária municipal de Educação, Valéria Recco, a professora foi contratada após passar por processo seletivo e já havia atuado em outras escolas sem, no entanto, apresentar qualquer problema. “O que foi gravado é que realmente essa professora não tem condições de atuar em sala de aula.”
Valéria afirma que a escola se prontificou imediatamente a verificar as denúncias e a amparar os pais e os alunos que foram vítimas da professora. “A secretaria repudia qualquer forma de violência, principalmente para os nossos alunos. O diretor tomou todas as providências cabíveis.”
A reportagem tentou ouvir a suspeita e esteve no endereço indicado pela mulher à polícia como sendo o da casa dela, mas os vizinhos informaram que ela não mora mais no local. Ela também não foi localizada no telefone indicado.

Aiara Cristine da Silva diz que o filho foi agredido por professora em Barretos, SP (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)
Aiara Cristine da Silva diz que o filho foi agredido por professora em Barretos, SP (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)

Fonte: G1
Leia Mais ››

Para procuradores, Temer age para ‘salvar a si mesmo’


Os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato, entraram em campo nas redes sociais para direcionar críticas ao presidente da República, Michel Temer, e acusá-lo de agir para se manter no poder em meio às denúncias que o atingem e à possibilidade de ser denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) após a delação dos empresários da JBS.

Na manhã desta quarta-feira, 14, Deltan Dallagnol usou o Twitter para criticara Temer em relação aos ministros acusados de corrupção. “Antes, os mencionados em delações podiam permanecer no governo. Agora, os réus. No próximo passo serão os presos”, escreveu Dallagnol, sobre um eventual recuo de Temer na sua linha de corte de afastar temporariamente ministros denunciados e definitivamente se virarem réus na Justiça. “É a institucionalização do governo dos corruptos?”, questionou o procurador, em outra publicação.

Já o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, responsável pela concepção dos acordos de leniência na operação, afirmou que o presidente está agindo para mudar a cúpula da Polícia Federal e interferir nas investigações. “Não contente com o desmonte da equipe da Polícia Federal na Operação Lava Jato em Curitiba, o governo Temer vai além, intervindo na mesma polícia que o investiga. Para que ética, se a única coisa que importa é se manter no poder?”, escreveu o investigador.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo há pouco mais de duas semanas, Lima criticou o contingenciamento de 44% do orçamento de custeio previsto para 2017 na operação e afirmou que o governo tinha o objetivo de “sufocar” a Lava Jato com os limites orçamentários.

A reunião de Temer com governadores na noite dessa terça-feira também foi alvo de comentários do procurador. No encontro, o governo ofereceu uma renegociação das dívidas de Estados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para o procurador, a atitude do presidente é um “toma-lá-dá-cá” para salvar a si mesmo. “Toma-lá-dá-cá. Quando o importante é salvar a si mesmo, o problema de caixa do governo desaparece. Quando é para defender as reformas, tudo é diferente”, diz a publicação de Lima.

Nos últimos dias, os procuradores já vinham direcionando críticas ao presidente Temer e a seus aliados nas redes sociais. Na terça, Carlos Lima usou o Facebook para atacar o PSDB após a decisão do partido de manter apoio ao governo federal. “Vexame é pouco”, disse.

Sobre a atitude de tucanos ao aplaudir Aécio Neves na reunião de segunda-feira, 12, em Brasília, o procurador comparou a legenda ao PT. “O PSDB me lembra outro partido… Ah! Lembrei. O PT aplaudindo José Dirceu. Seja qual for o partido, o comportamento é o mesmo. Aplaudir quando se investiga o outro partido, e dizer que são perseguidos quando eles são os investigados.”

O julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também foi alvo das críticas dos procuradores.

No sábado, 10, Dallagnol afirmou que o governo estava declarando “guerra aberta” à Lava Jato após a decisão da Corte eleitoral de absolver a chapa. “Como no fim do governo do PT, o governo PMDB-PSDB declara guerra aberta à Lava Jato. Futuro está nas mãos da sociedade”, escreveu.

Carlos Lima, por sua vez, afirmou ser “evidente que o julgamento do TSE, ao desconsiderar as provas desse financiamento criminoso, não só deixou de fazer o que lhe era exigido – defender a democracia – como indicou claramente a intenção de acabar com as investigações.”

Fonte: Estadão
Leia Mais ››

Senado corta salário e recolhe carro oficial de Aécio Neves


O Senado comunicou o Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu o salário e a verba indenizatória de Aécio Neves (PSDB-MG), devido ao afastamento do senador. O carro oficial também foi recolhido. As informações foram enviadas por ofício pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), ao ministro Marco Aurélio Mello, relator do recurso de afastamento de Aécio no Supremo.

Eunício alega que as medidas foram tomadas em 18 de maio, mesma data de afastamento de Aécio por decisão liminar do ministro Edson Fachin.

Nesta quarta-feira, o Senado também apagou o nome do tucano do painel de votações do plenário e passou a identificar o senador como “afastado por decisão judicial” no site oficial do órgão.

É a primeira vez que o Senado torna públicas as medidas que tomou em razão do afastamento de Aécio. Até a terça-feira, 12, o presidente do Senado, assim como a Mesa Diretora da Casa, não haviam sido claros sobre quais seriam as limitações do afastamento de Aécio. Não havia qualquer indicação de corte salarial ou benefícios.

Na segunda-feira, 12, o Senado publicou uma nota em que dizia que cabia ao STF esclarecer o que caracteriza o afastamento do senador. A posição foi vista como uma forma de enfrentamento à decisão judicial e criticada pelo ministro Marco Aurélio.

Fonte: Estadão
Leia Mais ››

Estado de saúde da vereadora Wilma se agrava


É grave o estado de saúde da vereadora de Natal Wilma de Faria, do PT do B. A parlamentar se trata, há mais de um ano, de um câncer no intestino e desde a semana passada está internada na Casa de Saúde São Lucas, no bairro do Tirol.

Na manhã desta quarta-feira, 14, o estado de Wilma, que tem 72 anos, piorou tanto ao ponto de fazer com que familiares e amigos corressem para o hospital.

Wilma foi a primeira mulher a governar o estado do Rio Grande do Norte. Ocupou o cargo por duas vezes. Além disso, a professora mestre em educação pela Universidade Federal do RN também já cumpriu dois mandatos como prefeita de Natal.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

‘Meu silêncio não está à venda’, diz Cunha


O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou nesta quarta-feira, 14, em depoimento à Polícia Federal, ter recebido propinas da JBS em troca de se manter calado nas investigações da Operação Lava Jato. Cunha prestou depoimento no inquérito que investiga o presidente da República, Michel Temer, por corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa.

“Meu silêncio não está à venda”, disse Cunha, segundo o advogado Rodrigo Sanchez Rios, que acompanhou o depoimento.

De acordo com Rios, Cunha negou “categoricamente” todas acusações de pagamento de propina feitas pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS.

Em depoimento à Procuradoria Geral da República (PGR), Joesley disse que pagava uma mesada a Cunha e ao operador Lucio Funaro em troca do silêncio dos dois. Disse ainda que Temer sabia da mesada. Em gravação anexada ao inquérito, Joesley diz ao presidente: “Eu tô bem com o Eduardo.” E Temer responde: “Tem que manter isso, viu.”

“O deputado ressaltou que nunca procuraram ele. Nem o presidente Temer nem interlocutores do presidente. Ele negou categoricamente. Respondeu de forma geral”, disse o advogado.

Segundo Rios, a Polícia Federal em Brasília enviou 47 perguntas para serem feitas a Cunha. Aproximadamente a metade delas diz respeito à ação que corre na 10a Vara Federal de Brasília com base na delação de executivos da Odebrecht que dizem ter pago R$ 17 milhões ao ex-presidente da Câmara em troca da liberação de verbas do Fundo de Investimento do FGTS.

Cunha não respondeu a estas indagações alegando que prefere tratar delas no âmbito do próprio processo. Segundo o advogado, os questionamentos foram extraídos das perguntas feitas pela própria defesa de Cunha a Temer.

O ex-deputado, preso desde outubro de 2016, deve voltar ainda nesta quarta para o Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

116° Homicídio em Mossoró 2017: Popular é morto a tiros na calçada do ITEP


Após nove dias sem mortes violentas a cidade de Mossoró na região Oeste do Rio Grande do Norte volta a registrar crime de homicídio. 

O caso aconteceu no início da tarde desta quarta feira 14 de junho de 2017,na Rua Vicente Fernandes no bairro Nova Betânia. A vítima identificada como Felipe Rodolfo da Silva, de 30 anos, natural de Belo Horizonte/MG foi assassinado com seis disparos de arma de fogo. 

Segundo informações repassadas pela Divisão de Homicídios, Felipe era investigado no latrocínio ocorrido no dia 03 de junho desse ano, no Abolição II onde foi vítima o servidor público estadual Hiroito Gonçalves Falcão, que trabalhava na Universidade Regional do Rio Grande do Norte (UERN). Ele que foi morto na calçada do ITEP, tinha ido aquele órgão realizar exame de papiloscopia, a pedido da Delegacia de Furtos e Roubos que investiga o latrocínio. 

Ainda de acordoi com as informações, Felipe Rodolfo, chegou no local, estacionou sua moto Yamaha Fazer de cor preta e quando saiu para entrar no ITEP foi surpreendido por dois homens que chegaram em uma moto tipo Bros de cor vermelha e efetuaram seis disparos contra ele. Felipe foi atingido com seis tiros, sendo três na região da cabeça e três na região torácica, tendo morte instantânea. 

Para a DHPP o crime tem caracterísiticas de queima de arquivo, uma vez que Felipe era investigado no crime de latrocínio e poderia apontar os verdadeiros participante do crime, mas não descarta a hipótese de vingança. 

Após os trabalhos de perícia realizados pela equipe do ITEP com acompanhamento da Divisão de Homicídios, o corpo de Felipe Rodolfo da Silva foi recolhido do local e encaminhado ao setor de medicina legal do órgão para ser necropsiado e depois liberado para sepultamento. 

Familiares do Rapaz que estiveram no local do crime, informaram à DHPP, que Felipe era concursado da Polícia Militar do Maranhão e estava aguardando ser convocado pela coorporação. 

Com mais um crime de homicídio registrado em Mossoró, a cidade passa a contabilizar 116 assassinatos neste ano de 2017.





Fonte: Fim da Linha
Leia Mais ››

Operação de busca a suspeitos da morte de PM termina com um morto em Natal

PM Mário Pinheiro foi morto nesta terça-feira (13), na rua Santa Tereza, no bairro Bom Pastor, Zona Oeste da cidade. (Foto: Marksuel Figueredo/Inter TV Cabugi)

Uma operação policial para procurar os suspeitos de envolvimento na morte do PM Mário Pinheiro de Lima, de 37 anos, terminou com um homem morto, nesta quarta-feira (14), na comunidade conhecida como Favela do Japão, no bairro Novo Horizonte, zona Leste de Natal. Alexsandro Barros da Silva foi baleado ao reagir a uma abordagem e atirar contra policiais.
Além do suspeito baleado e morto, os policiais também detiveram outro homem, que não teve identidade revelada. A operação da comunidade do Japão foi realizada por policiais militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) com apoio dos policiais do 9º Batalhão da PM.
Desde esta terça-feira, quando o cabo da PM Mário Pinheiro foi morto a tiros, a Polícia Militar vem realizando operações para tentar localizar os autores do crime. O suspeito baleado e morto nesta quarta-feira, Alexsandro Barros, de acordo com a polícia não seria um dos autores do crime, mas era foragido da Justiça, tendo mandado de prisão em aberto por homicídio.
O cabo da PM Mário Pinheiro foi assassinado na rua Santa Tereza, no bairro Bom Pastor, na zona Oeste da cidade, na manhã desta terça-feira. Testemunhas relataram que o policial estava de moto, sob uma árvore esperando a chuva passar, quando foi abordado por dois homens que se aproximaram também em uma motocicleta. Para a Polícia Civil, a principal suspeita é a de que o cabo foi mesmo alvo de uma tentativa de assalto, e que ele teria sido morto porque reagiu.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Familiares de detentos da Penitenciária Mário Negócio ocupam RN-017

Familiares de presos pedem melhorias na Penitenciária Mário Negócio, em Mossoró, RN (Foto: Divulgação)

Familiares de detentos da Penitenciária Agrícola Doutor Mário Negócio ocupam, desde a manhã desta terça-feira (14), o quilômetro 15 da rodovia RN-017, entre Mossoró, onde fica o presídio, e o município de Baraúna.
Na maioria mulheres, as manifestantes queimaram pneus e erguem faixas de protesto. Segundo uma delas, os parentes não podem mais entrar na unidade com alimentos e produtos de limpeza para os detentos, que estariam vivendo em condições precárias.
“Nós queremos melhorias pros nossos maridos, pais, filhos. Estão passando fome, não entra nem uma bolacha pros nossos filhos, só entrou uma vasilha de sorvete”, afirmou a mulher, que pediu para não ter a identidade revelada.
Uma equipe da Polícia Militar está no local.

Fonte: G1
Leia Mais ››

No RN, ex-deputado Gilson Moura é condenado a 30 anos de prisão

Ex-deputado estadual Gilson Moura foi condenado a 30 anos de prisão (Foto: João Gilberto/ALRN)

O ex-deputado estadual Gilson Moura foi condenado a 30 anos, 2 meses e 28 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e peculato. A condenação faz parte da operação Pecado Capital, que que desbaratou um esquema de corrupção no Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem/RN). Outras 14 pessoas também foram condenadas na ação pelo juiz federal Walter Nunes.
Gilson Moura informou que vai recorrer da decisão.
Além dele, outras 14 pessoas foram condenadas no processo. Dispensa indevida de licitação, peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro foram os crimes reunidos em 22 processos sentenciados pelo magistrado e que resultou na condenação de 15 pessoas. No total, os réus, além das penas de reclusão, pagarão uma multa de R$ 6.825.100,00. O ex-deputado Gilson Moura terá que pagar R$ 1,6 milhao de multa.
“Conforme descritos em cada uma das denúncias oferecidas, ora reunidas aos autos deste processo, os eventos criminosos foram praticados contra a administração pública pelos integrantes do esquema criminoso, idealizado e gerenciado por Rychardson de Macedo Bernardo, que, para satisfazer os seus propósitos ilícitos, reuniu-se com os outros acusados, na realização da empreitada criminosa, no objetivo de desviar e apropriar-se dos valores e recursos do Ipem/RN, os quais lhes foram transferidos pelo Inmetro, para fins de realização de serviços comuns e em decorrência de convênios chancelados entre essas duas entidades jurídicas”, destacou o juiz federal Walter Nunes.

Na sentença o magistrado ressaltou que o esquema de desvios de recursos do IPEM ocorria de várias formas com pagamentos de empresas diversas, faturamento de mercadorias sem efetivamente serem entregues, faturamento de serviços inexistentes e ainda contratação por serviços que, na verdade, eram prestados à campanha de Gilson Moura para prefeito de Parnamirim, sendo alguns pagos com a inclusão, em folha, de pessoas ligadas a essas empresas.
Rychardson de Macedo Bernardo foi condenado a 28 anos, 11 meses e 11 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e peculato; e 12 anos, 1 mês e 4 dias de detenção pelo crime de dispensa indevida de licitação. No entanto, como fez acordo de delação premiada, ele recebeu o perdão judicial nesse processo específico.

Fonte: G1
Leia Mais ››

No RN, Sejuc transfere todos os presos do CDP de Currais Novos

Centro de Detenção Provisória de Currais Novos  (Foto: Jaime Junior )

Todos os 68 presos que estavam no Centro de Detenção Provisória de Currais Novos foram transferidos na manhã desta quarta-feira (14). A Secretaria de Justiça e Cidadania não divulgou para onde os presos foram levados. De acordo com a Sejuc, a transferência faz parte do "projeto de reestruturação do sistema penitenciário do RN".
"Não podemos divulgar para onde os presos foram levados por questões de segurança até que a transferência seja concluída", informou o titular da Sejuc, Luis Mauro.
O CDP de Currais Novos, de acordo com a Sejuc, deve passar por ajustes estruturais, identificados pelo secretário após visita à unidade. "As modificações - que vão seguir os trâmites legais e normais de tempo - vão garantir mais segurança na guarda dos presos e também para o serviço dos agentes", informou, em nota, a Sejuc.
A secretaria informou ainda que outras unidades poderão ser alvo de mudanças, "cada uma em seu tempo específico, antecipadamente não divulgado por uma questão estratégica".
Na última terça-feira (13) quatro detentos escaparam do Centro de Detenção Provisória de Currais Novos. A fuga, confirmada pela direção da unidade, aconteceu por um buraco aberto na parede do banheiro. Os presos ainda usaram uma 'teresa' – espécie de corda feita com lençóis – para descerem por uma parede com 6 metros de altura. Dois detentos foram recapturados.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Acidente envolvendo cinco caminhões deixa um morto e bloqueia trecho de BR no Ceará


Um acidente envolvendo cinco caminhões deixou uma pessoa morta e bloqueio um trecho da BR-116 que corta o Ceará na tarde desta terça-feira (13). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o quilômetro 63 da via, na cidade de Chorozinho.
Ainda conforme a Polícia Rodoviária, com o impacto da colisão, uma pessoa morreu no local e outra está presa às ferragens. Os policiais estão no local do acidente e ainda não identificaram as causas do acidente.
Além da PRF, há equipes do Corpo de Bombeiros e ambulâncias no local do acidente. A previsão é de que a via seja liberada aos poucos ainda na noite desta terça-feira.


Imagens e videos da TV Portal/Notícias CE


Fonte: G1
Leia Mais ››

Juiz condena à cadeia ex-prefeito de Angicos-RN

cadeia angicos

O ex-prefeito de Angicos, Ronaldo de Oliveira Teixeira, foi condenado pela prática do crime de falsidade ideológica. A sentença estipula um ano e nove meses de reclusão e 21 dias-multa, convertida em duas penas restritivas de direito: prestação de serviços à comunidade e prestação pecuniária no valor de R$ 5 mil.
A condenação é reflexo de uma Ação Penal, ajuizada pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Angicos.
Na condição de prefeito, Ronaldo de Oliveira Teixeira teria forjado a demissão da sogra do cargo comissionado de pedagoga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), após recomendação do Ministério Público que visava combater o nepotismo.
Para despistar a recomendação do MP, o prefeito chegou a exonerar a sogra e contratar outra pessoa para o cargo. No entanto, a parente permaneceu exercendo as funções no Creas sob a alegação de que se tratava de trabalho voluntário e não remunerado.
Porém, a Promotoria de Justiça de Angicos demonstrou na Ação Penal que os extratos da conta corrente da sogra do prefeito comprovavam a fraude, uma vez que a remuneração pelos serviços supostamente prestados pela nova servidora contratada era depositada nesta conta.
O crime praticado é previsto no art. 299, parágrafo único, do Código Penal, em razão de ter inserido no Termo de Rescisão nº 001/2011 de declaração falsa, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante e mascarar a verdade sobre o nepotismo, fazendo uso de uma pessoa nomeada para a função apenas como “laranja”.

Fonte: Robinson Pires
Leia Mais ››

Instituto de Gilmar Mendes recebeu patrocínio de R$ 2,1 milhões da J&F


O grupo J&F, que controla a JBS, gastou nos últimos dois anos R$ 2,1 milhões em patrocínio de eventos do IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público), que tem como sócio o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Ao ser questionado pela Folha sobre o assunto, o instituto disse que devolveu R$ 650 mil deste total no dia 29 de maio, após a revelação do acordo de delação premiada de executivos da empresa.

O IDP diz que, em razão de uma cláusula contratual relacionada à conduta ética e moral por parte do patrocinador, rescindiu um contrato assinado em 11 de junho de 2015 com o grupo.

Segundo a faculdade, os recursos foram destinados a cinco eventos, "além do suporte a um grupo de estudos em Direito do Trabalho, da concessão de bolsas de estudo para estudantes carentes e egressos do sistema prisional, cursos gratuitos para a comunidade".

De acordo com o IDP e a JBS, um dos congressos incluídos nos patrocínios ocorreu em abril, em Portugal, pouco mais de uma semana depois de sete executivos do frigorífico firmarem um acordo de delação com o Ministério Público Federal. Participaram daquele encontro magistrados, ministros do governo de Michel Temer, além de advogados e políticos.

A JBS, por meio da assessoria de imprensa, diz que gastou R$ 1,45 milhão desde 2015, sem mencionar a devolução de R$ 650 mil. A empresa cita três congressos patrocinados, sendo o último realizado em Portugal, neste ano, no valor de R$ 650 mil.

A delação foi homologada pelo ministro Edson Fachin no STF, relator do caso, que decidiu levar ao plenário do tribunal um recurso do governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), que contesta sua relatoria. Ou seja, o colegiado do qual Gilmar faz parte terá que tomar decisão sobre a delação. Não há ainda data para esse julgamento.

Em maio, Gilmar defendeu que a homologação da delação fosse discutida pelo plenário. O acordo tem sido alvo de críticas por supostas fragilidades em relação a penas dos envolvidos.

No dia 27 de maio, reportagem da Folha informou que a família de Gilmar vende gado no Mato Grosso para o frigorífico –segundo ele, as negociações são encabeçadas pelo irmão. O ministro diz que não havia motivo para se declarar impedido de participar de votações sobre assuntos envolvendo a empresa.

Na ocasião, a reportagem o questionou sobre encontro que teve com o empresário Joesley Batista, delator e um dos sócios da JBS que gravou secretamente o presidente Temer e o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Gilmar confirmou a reunião, ocorrida, segundo ele, a pedido do advogado Francisco de Assis e Silva, outro delator da empresa. Joesley, de acordo com Gilmar, apareceu de surpresa. A reunião, diz o ministro, tratou de questão referente a um julgamento do STF sobre o setor de agronegócio.

A data da conversa, segundo Gilmar, é posterior a 30 de março, quando o tribunal realizou um julgamento sobre o Funrural, fundo abastecido com contribuições de produtores rurais à previdência.

O IDP anunciou a presença do presidente Temer em um seminário patrocinado pelo governo. De acordo com a programação, Temer participará da cerimônia de abertura do seminário, marcado para os dias 20 e 21 de junho.

O evento é chamado de "7º Seminário Internacional de Direito Administrativo e Administração Pública-Segurança Pública a Partir do Sistema Prisional". O anúncio no site da faculdade de Gilmar estampa propaganda da Caixa e o logo oficial do governo. O banco informou à Folha que vai repassar R$ 90 mil de patrocínio. O ministro e a faculdade negam conflitos de interesse –alegam que a Caixa patrocina eventos do instituto desde 2011.

OUTRO LADO

O IDP afirmou que até a delação, "a conduta das empresas do grupo J&F era considerada exemplar", inclusive como relevantes patrocinadores de iniciativas acadêmicas e culturais de inúmeras instituições públicas e privadas.

"As ofertas de patrocínio, para qualquer empresa, são formuladas pela administração e pelo jurídico do IDP, por escrito. A exposição da marca é sempre decisão unilateral do patrocinador", disse o instituto.

Sobre os R$ 650 mil devolvidos em maio, o IDP diz que os recursos chegaram depois da realização do evento. E, por isso, como não foram gastos, foram devolvidos.

Por meio da assessoria, Gilmar disse que "não é, nem nunca foi, administrador do IDP. Sendo assim, não há como se manifestar sobre questões relativas à administração do instituto". E citou as regras previstas na legislação sobre possível impedimento dele em julgamentos.

A assessoria da JBS não respondeu a diversas questões feitas pela Folha: quem fez os pedidos em nome do IDP, se houve alguma solicitação por parte de Gilmar e se a JBS costuma patrocinar eventos de outras faculdades. 

Fonte: Folha de São Paulo
Leia Mais ››

QUEM TEM CUNHA, TEM MEDO! Cunha vai prestar depoimento em inquérito que investiga Temer


O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Lava-Jato desde outubro do ano passado, vai prestar depoimento amanhã para instruir o inquérito que investiga o presidente Michel Temer por corrupção passiva, obstrução à Justiça e participação em investigação criminosa. Cunha é investigado no mesmo inquérito, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).
O depoimento foi agendado para as 11h na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso. Em pedido encaminhado ao STF, a defesa de Cunha pede acesso a todo o material do inquérito “e a qualquer outro dado investigatório não contido nos autos eletrônicos deste inquérito policial, com pelo menos 48 horas de antecedência de sua oitiva”.
Se o pedido for concedido pelo relator do inquérito, o ministro Edson Fachin, o depoimento será adiado. Segundo a defesa, o investigado não teve pleno conhecimento de todo o material, em especial os áudios ambientais e as ligações telefônicas.
A investigação se baseia na gravação da conversa entre Temer e Joesley Batista, um dos donos da JBS, na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu.

Na gravação, o empresário fala com Temer sobre pagamento de propina ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e a um procurador da República. O áudio está sendo periciado pela Polícia Federal (PF) e, segundo a defesa de Temer, foi manipulado.

Fonte: Focoelho
Leia Mais ››