Usuários Online

RÁDIO CIDADE AO VIVO

segunda-feira, junho 12, 2017

Contra rompimento, PMDB sinaliza apoio a PSDB em 2018 e no Senado

Resultado de imagem para Contra rompimento, PMDB sinaliza apoio a PSDB em 2018 e no Senado

No corpo a corpo do governo para desmobilizar o desembarque tucano, interlocutores de Michel Temer sinalizam ao PSDB com duas cartas, principalmente: apoio para candidatura tucana na eleição de 2018 e no conselho de Ética do Senado para salvar o mandato de Aécio Neves, em um eventual processo.

Nesta segunda-feira, o PSDB se reúne para discutir o rompimento com o governo, mas deve adiar a decisão. 

O PSDB tem, hoje, dois principais pré-candidatos à Presidência: o governador Geraldo Alckmin e o prefeito de São Paulo, João Doria.

Temer procurou Alckmin há duas semanas para pedir ao governador que desmobilizasse a debandada do PSDB de São Paulo. Alckmin tem trabalhado neste sentido. 

No caso do conselho de ética, o Planalto sinaliza à ala tucana ligada a Aecio Neves que, em troca de apoio, pode trabalhar contra a cassação do mandato do senador, gravado em delação da JBS e denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Aécio foi denunciado ao STF por corrupção passiva e obstrução de Justiça. 

Mas, para manter o PSDB no governo, Temer sinaliza aos tucanos que trabalhará para evitar a cassação de Aécio.

Um dos principais interlocutores de Temer no Senado é Romero Jucá, líder do governo no Senado - que também é presidente do PMDB.

O presidente do conselho de ética é do PMDB - o senador João Alberto, aliado de Jucá, Temer e José Sarney. 

Alberto já tem sinalizado a senadores que pode protelar o processo de cassação de Aecio.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Lava Jato denuncia ex-gerente da Petrobras por receber US$ 4,8 milhões de propina

Ex-gerente da Petrobras Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos foi preso na 41ª fase da Lava Jato (Foto: Rodrigo Fonseca)

A força-tarefa da Operação Lava Jato denunciou nesta segunda-feira (12) o o ex-gerente da área internacional da Petrobras Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
O ex-funcionário da estatal foi preso na 41ª fase da operação, em 25 de maio, no Rio de Janeiro. Ele foi levado para Curitiba, onde segue preso.
Segundo a acusação, Bastos recebeu US$ 4,8 milhões em propinas em uma conta offshore na Suíça, da qual era beneficiário. Em contrapartida, utilizou-se do cargo para dar amparo técnico a um negócio envolvendo a venda de um campo seco de petróleo em Benin, na África, para a Petrobras, em 2011.
O esquema relatado na denúncia é o mesmo pelo qual o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada já foram condenados, em outro processo da Lava Jato.
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), um relatório da Comissão Interna de Apuração da Petrobras, que investigou os fatos, apontou que Bastos foi responsável por uma série de irregularidades. Por isso, ele foi demitido por justa causa, no segundo semestre de 2016.
O G1 tenta contato com a defesa de Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos.
Investigação
A apuração dos fatos envolvendo a aquisição do campo de Benin começou em agosto de 2015, quando documentos enviados pelo Ministério Público suíço ao Brasil comprovaram o pagamento de subornos num total de US$ 10 milhões para concretizar o negócio da Petrobras, conforme o MPF.
A investigação revelou que, em 3 de maio de 2011, o preço da aquisição do campo de Benin (US$ 34,5 milhões) foi transferido pela Petrobras para a empresa CBH. Na mesma data, US$ 31 milhões seguiram da companhia CBH para a Lusitania Petroleum LTD, outra empresa do mesmo grupo econômico da CBH.
Em 5 de maio de 2011, a Lusitania depositou US$ 10 milhões, em favor da offshore Acona, de propriedade de João Augusto Rezende Henriques - ja condenado na operação. Para dar aparência legítima para a transferência da propina, foi celebrado um contrato de comissionamento entre a Acona e a Lusitania.

Em 19 de setembro de 2012, a conta da Acona ainda recebeu uma segunda transferência da Lusitania Petroleum no valor de USD 11,75 milhões. A partir da Acona, a propina passou a ser distribuída para várias contas, a maior parte de titularidade de outras empresas offshores.
Em agosto de 2015, a documentação recebida da Suíça já permitiu rastrear US$ 4,8 milhões em favor da conta Sandfield que, mais recentemente, foi identificada como pertencente a Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos.
Segundo o procurador da República Diogo Castor de Mattos, integrante da força-tarefa Lava Jato em Curitiba, “o mesmo esquema da venda do campo de petróleo de Benin envolveu o pagamento de propina a outros destinatários, além dos que já foram denunciados. Dessa forma, as investigações continuam para identificação de todos os envolvidos nos crimes cometidos”.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Moro determina que PF devolva iPads dos netos do ex-presidente Lula


O juiz Sérgio Moro mandou a Polícia Federal devolver os iPads dos netos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que foram apreendidos em 4 de março de 2016, na operação Alethea. O petista havia reclamado da situação em depoimento prestado ao magistrado em maio deste ano.
O despacho de Moro para a restituição do aparelho foi assinado em 19 de maio, nove dias após Lula ter feito o pedido.
"Não tem este Juízo notícia de tal apreensão, mas se ocorreu deve ser tributado ao desconhecimento pelos agentes policiais do conteúdo dos aparelhos eletrônicos", escreveu Moro.
"De todo modo, poderia a Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva ter requerido diretamente à autoridade policial a sua devolução, já autorizada pelo trecho acima destacado."
O juiz afirmou ainda que determinou "a devolução de documentos e de equipamentos de informática se, após seu exame, constatar que não interessam à investigação", quando autorizou a operação contra Lula, em fevereiro de 2016. Realizada no âmbito da operação Aletheia, a ação de busca e apreensão em endereços ligados ao petista ocorreu em 4 de março de 2016.
Em sua decisão, o juiz continua: "para evitar maiores delongas, deverá a autoridade policial informar se identificou, na apreensão, os referidos aparelhos pertencentes aos netos do investigado e, se positivo, para que promova a devolução mediante termo no prazo de 10 dias."
Depoimento
A reclamação de Lula foi feita quando Moro fez questionamento ao ex-presidente com base em uma gravação em vídeo durante a condução coercitiva do petista. “Eu queria aproveitar, já que o senhor falou dessa coerção: determine que a Polícia Federal devolva os iPads dos meus netos. É uma vergonha. Ipad de neto de cinco anos. Está desde março do ano passado”, disse Lula.
“É só pedir a restituição que é devolvido, senhor presidente”, sugeriu Moro. “Não, não, não. Já pedi, já fui lá, já fui falar”, rebateu Lula. “Não pense que tudo que o senhor pede as pessoas fazem rapidamente. O senhor não viu como a Polícia Federal entrou na casa dos meus filhos. Não é com a educação que entraram na minha. Na casa dos meus filhos quebraram porta, quebraram portão”, concluiu Lula.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Hackers invadem sites do governo do DF e publicam ataques a Michel Temer

Site do governo do DF com mensagens de repúdio ao governo Temer (Foto: Google/Reprodução)

Sites do governo do Distrito Federal foram invadidos por hackers e adulterados com imagens e textos de oposição ao presidente Michel Temer neste domingo (11). A Casa Civil do governo local diz que solucionou o problema no mesmo dia mas, nesta segunda (12), sites de busca ainda mostravam ofensas direcionadas a Temer, vinculadas ao portal oficial do governo do DF.
"Não pretendo começar isso com um discurso clichê de fora temer, mas primeiramente [expressão chula] Michel Temer e pra toda sua bancada", dizia a mensagem. Até as 20h, o texto continuava disponível em plataformas de busca, embora o site institucional já tivesse sido recuperado.
Em nota, o Palácio do Buriti diz que "o problema foi identificado e que configurações de segurança foram implementadas para evitar novos ataques". Ainda segundo o GDF, a equipe de tecnologia enviou um pedido ao Google para a atualização dos bancos de dados, que poderia resultar na retirada dos xingamentos a Temer.
"O episódio é chamado de 'pichação de sites' e não houve acesso a nenhum dado público", informou o governo.
Em abril, o GDF unificou todos os seus sistemas de servidores digitais para, segundo o governo, "prevenir possíveis ataques hackers" e deixar de pagar aluguel a empresas de TI. Durante a apresentação do projeto, Rollemberg disse que a central criada para guardar máquinas e dados de rede corporativa iria trazer mais segurança ao fluxo de dados e a gestão de políticas públicas.
Invasão
No ano passado, os sistemas de informática do governo do Distrito Federal sofreram 52.031 tentativas de invasão, segundo a Secretaria de Planejamento informou ao G1. Em 12 oportunidades, “hackers” conseguiram de fato acessar os servidores, informou a pasta que administra a infraestrutura tecnológica do GDF.
A secretaria afirma que o acesso ocorreu basicamente em páginas que mantêm fóruns ou comentários abertos, sem moderação, com propagandas e anúncios que não comprometem a segurança dos sites do governo e por isso, não houve nenhum tipo de vazamento de dados.
Comparando com os números de 2015, a quantidade de tentativas de invasão cresceu 665%. Naquele ano, houve 6,8 mil iniciativas frustradas, e um ataque efetivo.
*sob supervisão de Maria Helena Martinho

Fonte: G1
Leia Mais ››

Criminosos abandonam caminhão com milhões após assalto a banco de Gurupi

Assaltantes abandonaram o caminhão com pacotes de dinheiro e fugiram (Foto: Cláudio Gomes/TV Anhanguera)

Os criminosos que explodiram a agência do Banco do Brasil em Gurupi, sul do Tocantins, na noite deste domingo (11), abandonaram um caminhão e duas caminhonetes durante a fuga. Nos veículos, a polícia encontrou pacotes de dinheiro e contabiliza o valor que já soma R$ 5,4 milhões. Os suspeitos também deixaram para trás 68,7 kg de dinamites. Os veículos foram deixados num matagal, em uma fazenda, perto de Cariri do Tocantins. Até as 14h desta segunda-feira (12) nenhum suspeito havia sido preso.
Ainda segundo o delegado, 12 a 20 criminosos participaram do assalto. Eles invadiram a cidade, explodiram a agência do Banco do Brasil, fizeram reféns e incendiaram carros. Depois fugiram dando tiros. Algumas lojas tiveram as vidraças quebradas. Uma mulher foi atingida durante o tiroteio e precisou passar por cirurgia. A ação é conhecida como crime do "novo cangaço". Os assaltantes invandem a cidade, roubam e fogem deixando pânico e destruição.
Oliveira informou ao G1 o dinheiro foi deixado para trás por causa do cerco feito pela Polícia Militar. Os homens fugiram pela pista do aeroporto da cidade.
O Banco do Brasil informou que está colaborando com a polícia na investigação. O banco informou que os clientes podem buscar atendimento no banco postal da cidade, em agências de cidades vizinhas ou pelos canais alternativos, como correspondentes bancários, caixas eletrônicos da rede Banco 24h, na central telefônica ou pelo internet banking.

Caminhão abandonado por criminosos (Foto: Wilton Dias/TV Anhanguera)
Caminhão abandonado por criminosos (Foto: Wilton Dias/TV Anhanguera)

Segundo o delegado, a suspeita é que o grupo faça parte da 'Quadrilha dos Pipocas', organização especializada em assalto a bancos e a carros-fortes. A quadrilha, do Ceará, em uma das mais articuladas do país.
Na madrugada de domingo, um homem de 45 anos foi preso pela Polícia Rodoviária Federal na BR-153, perto de Gurupi. A polícia informou que ele é membro dessa quadrilha e foi capturado durante uma abordagem, porque tinha um mandado de prisão em aberto pelo crime de homicídio.
O delegado acredita que esse homem estava a caminho de Gurupi para participar da ação. "Essa é uma das nossas hipóteses", disse.
A Polícia Militar disse que intensificou as buscas no intuito de localizar os suspeitos.

Criminosos incendiaram veículos, durante noite de terror em Gurupi (Foto: Jairo Santos/TV Anhanguera)
Criminosos incendiaram veículos, durante noite de terror em Gurupi (Foto: Jairo Santos/TV Anhanguera)

Noite de terror
O assalto aconteceu na noite deste domingo. A PM disse que algumas pessoas foram feitas reféns, dentre elas, cinco homens. Eles foram liberados em uma estrada vicinal conhecida como Baliza. Informou ainda que quatro veículos estacionados perto do banco foram incendiados, sendo três carros e uma motocicleta.
O morador da cidade Rômulo Bonfim disse que estava a caminho de casa com a namorada. Os dois tinham acabado de sair do centro, por causa dos ataques, quando os bandidos atiraram no carro dele. Um dos disparos atingiu o ombro da namorada. Ela foi socorrida e levada para o Hospital Regional da cidade, onde passou por uma cirurgia.
A Secretaria de Estado da Saúde disse que a paciente Raylane Rocha Morais foi prontamente acolhida pela equipe multiprofissional do hospital, passou por cirurgia e seu estado de saúde é grave.
O garçom Alexandre Souza que trabalhava em um restaurante no momento do ataque conta que viu quando os homens fizeram clientes de reféns e levaram para a agência. "Foi tiro para todo o lado e pessoas em pânico entrando no restaurante, quebrando tudo. Eles fizeram um terrorismo na cidade".

Homens atearam fogo em carros no meio das avenidas da cidade (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Homens atearam fogo em carros no meio das avenidas da cidade (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Um dos reféns, o empresário José Filho, conta os momentos de medo e terror. "Quando eles direcionaram aos bancos, eu pensei: 'A situação é mais grave, vão nos colocar como refém'. Foi o que eles fizeram, nos tiraram a camisa e nos colocaram nos pontos estratégicos. Um na esquina do banco, e o outro pessoal na esquina de lá. E daí muitos tiroteios, os fuzis ficaram perto da nossa cabeça e informando que qualquer ação da polícia nós iríamos morrer primeiro".
Durante os ataques à agência do Banco do Brasil, os criminosos também explodiram portas que dão acesso ao cofre e depois fugiram pelo portão dos fundos. A polícia não informou se eles conseguiram roubar dinheiro.
Os homens queimaram carros em vários pontos da cidade. Um dos veículos era do autônomo Humberto Divino. "A gente ficou sabendo que eles estavam colocando fogo nos carros e fechando as ruas e avenidas. Foi mais ou menos 1h ou 1h30 de tiroteio. Quando os assaltantes foram embora da cidade, que a gente foi conferir o fato, eu cheguei aqui e vi que um dos carros era meu. Eu estava ansioso porque meu carro fica na rua perto do banco".
Durante a ação, muitos moradores que estavam nas ruas da cidade tiveram que deitar no asfalto para não serem atingidos pelos disparos.
A Polícia Militar do Tocantins confirmou que policiais de várias cidades foram deslocados para Gurupi. Militares de Porangatu, extremo norte de Goiás, também dão auxílio nas buscas.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Criança de 1 ano morre após padrasto atear fogo a casa em MT

Heloisa estava internada há quase um mês no Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá (Foto: Arquivo pessoal)

Uma criança de 1 ano e oito meses morreu neste domingo (11) enquanto estava internada no Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá (PSMC). De acordo com a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a menina, identificada como Heloisa Morais Nogueira, estava internada há quase um mês depois de sofrer queimaduras durante um incêndio, supostamente provocado pelo padrasto dela, na cidade de Campo Verde, a 139 km de Cuiabá.
A família da criança disse aos policiais que o incêndio ocorreu no Bairro Bom Clima, em Campo Verde e que o padrasto, identificado como Luis Ferreira da Silva, está preso. Os policiais da DHPP fizeram a liberação do corpo, que foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Cuiabá. O corpo da criança foi transladado para Campo Verde, onde é velado nesta segunda-feira (12).

Heloisa teve queimaduras de terceiro grau após incêndio supostamente provocado pelo padrasto (Foto: Arquivo pessoal)

Segundo o pai da menina, Higor Nogueira da Silva, o padrasto da criança e a mãe da menina tiveram uma discussão que acarretou no incêndio. “Eles discutiram e brigaram. Viram ele [padrasto] tirando gasolina da moto e fechando a porta com eles lá dentro”, disse o pai ao G1.
Estavam dentro da casa a mãe de Heloisa, um menino de 3 anos (que também é filho de Higor), e o padrasto. Os vizinhos não viram o momento em que o suspeito ateou fogo, porém, perceberam que havia fumaça saindo de dentro da casa.
“Viram a fumaça e arrombaram a casa. Ela [Heloisa] teve queimaduras de terceiro grau. O padrasto e a mulher também tiveram queimaduras [com menor gravidade]”, comentou o pai da criança. A ex-mulher dele teve ferimentos nos braços e foi socorrida, junto com Luis, até um hospital de Campo Verde.
Heloisa foi levada para o Hospital Regional de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá. Posteriormente foi transferida para o PSMC, onde precisava de atendimento especializado por causa das queimaduras que sofreu. A família diz que registrou boletim de ocorrência na época.
Inicialmente o padrasto teria dito à polícia que não ateou fogo na casa. Posteriormente ele assumiu o crime. A polícia deve abrir uma investigação sobre o homicídio. A certidão de óbito da criança aponta que as causas da morte foram septicemia (infecção generalizada), distúrbio hidroéletrolítico e queimaduras de terceiro grau.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Taxista devolve carteira com R$ 1,2 mil perdida por passageira: 'Tinha que entregar o que não era meu'

Taxista encontrou dinheiro esquecido por passageira em veículo (Foto: Arquivo pessoal/José Luiz de Almeida)

Taxista há 16 anos em Itapetininga (SP), José Luiz de Almeida conta que está acostumado em tentar localizar passageiros esquecidos e devolver os objetos deixados no veículo, principalmente celulares.
Na última quinta-feira (8) não foi diferente. Porém, ele encontrou pela primeira vez uma carteira com R$ 1.200, que era de uma idosa de 72 anos. Ele conseguiu localizá-la e devolveu a quantia.
Em entrevista ao G1, José disse que encontrou a carteira caída no banco da frente. “A idosa estava com uma amiga e as levei até o bairro São Fernando. Em seguida, encontrei a carteira e claro que pensei em devolver. Deu sorte que ela derrubou no banco da frente e nenhum outro passageiro encontrou e levou. E sempre penso que o que não é meu tem que entregar. Nunca conseguiria ficar comigo", diz.

José Luiz de Almeida trabalha como taxista há 16 anos (Foto: Arquivo Pessoal )
José Luiz de Almeida trabalha como taxista há 16 anos (Foto: Arquivo Pessoal )

O taxista conta que a passageira ligou para perguntar se havia encontrado seu dinheiro.
"Foi então que o telefone tocou e era a amiga perguntando se tinha achado. Disse que sim e que estava a caminho da casa da passageira. Ela ficou muito feliz e eu também. Até quis registrar o momento. Foi muito bom vê-la aliviada, porque estava bem nervosa”, afirma.
Para a idosa, que preferiu não ter a identidade revelada, foi uma atitude nobre do taxista. “Hoje em dia as pessoas não devolvem e ele poderia me falar que não achou e ficar com o dinheiro. Eu estava tão nervosa, porque tinha ido ao Centro para tirar o dinheiro e pagar minhas contas. Foi a primeira vez que andei de táxi. Mas graças a Deus deu tudo certo e ele me devolveu. Vou ficar mais atenta para não esquecer de novo”, disse.
Ainda segundo o taxista, foi gratificante devolver o dinheiro. “Fiquei muito feliz em vê-la que ficou agradecida. Isso não tem preço. E sempre que alguém esquecer algo no meu veículo, irei sempre tentar localizar para devolver”, ressalta.

Carteira com dinheiro foi encontrada por taxista em Itapetininga (Foto: Arquivo pessoal/José Luiz de Almeida)
Carteira com dinheiro foi encontrada por taxista em Itapetininga (Foto: Arquivo pessoal/José Luiz de Almeida)

Fonte: G1
Leia Mais ››

Saque no FGTS ajuda a limpar nome nos órgãos de proteção ao crédito


O saque das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que teve a quarta fase iniciada neste sábado (10), tem sido uma solução para “limpar” o nome dos órgãos de proteção ao crédito. E ter o nome negativado na praça é mesmo motivo de dor de cabeça para boa parte da população.

Aproximadamente 60,1 milhões de brasileiros estão com restrições ao CPF, enfrentando problemas para contratar empréstimos, financiamentos ou realizar compras parceladas, o que representa quase 40% da população brasileira adulta. Estes dados foram apurados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Porém, além de ter em mãos o recurso financeiro para liquidar a dívida, é importante conhecer a regras do Direito do Consumidor para estes casos. De acordo com o professor da faculdade Estácio, doutor em Direito do Consumidor, Marcus Vinicius Andrade, ao não pagar uma dívida, o consumidor pode ser incluído em órgãos como SPC, Serasa, SCPC.

No entanto, há uma obrigação por parte do fornecedor de notificar o cliente cinco dias antes da inclusão da dívida. “Este prazo é dado para que a pessoa tenha ciência e possa tomar as providências caso não tenha conhecimento da dívida, ou possa comprovar que a quitou, caso a empresa não tenha atestado o pagamento”, explica o professor. Ele acrescenta ainda que a notificação deve ser comunicada, preferencialmente, em um documento físico – de papel.

Além disto, o prazo máximo para o registro nos órgãos de proteção ao crédito é de cinco anos, acrescenta Andrade. “Após este período, a retirada do nome é automática e não pode constar nem o registro de que a pessoa esteve endividada. Isso não quer dizer que a dívida foi perdoada. A dívida continua. A anotação nos órgãos de proteção é que não existirá mais”, esclarece.

No caso de o consumidor efetuar o pagamento, o fornecedor tem o dever de retirar o seu nome de imediato – não é necessário a pessoa ir até o órgão solicitar a remoção. “Se o consumidor estiver em dia e há um cadastro como devedor, é possível até entrar com uma ação de dano moral. Principalmente, se a pessoa foi impedida de realizar uma compra por causa desse registro”, alerta. Geralmente, é dado um prazo de cinco dias para que o nome seja retirado do cadastro.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Juiz suspende transferência de Henrique Alves para presídio em Brasília


O desembargador Ney Belo, do Tribunal Regional da 1ª Região, concedeu, na última sexta-feira, 9, liminar que barrou a transferência do ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN/Governos Dilma e Temer), para um presídio em Brasília. Ele está preso preventivamente no Rio Grande do Norte, alvo das Operação Manus e de investigação da Procuradoria da República no Distrito Federal.

A Operação Manus investiga fraudes de R$ 77 milhões na construção da Arena das Dunas para a Copa do Mundo de 2014. Henrique Alves está sob suspeita de receber propinas das empreiteiras OAS e Odebrecht na campanha eleitoral daquele ano, quando concorreu ao governo do Estado.

A ação, executada em parceria entre a Polícia Federal e a Procuradoria da República no Distrito Federal, também apura irregularidades que teriam sido cometidas pelo grupo liderado pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha nas vice-presidências de Fundos e Loterias e Pessoas Jurídicas da Caixa Econômica Federal (CEF).

Pelo fato de ser investigado por crimes diferentes nos dois Estados, Henrique Alves foi alvo de dois mandados de prisão. Acabou detido, na última terça-feira, 6, em Natal. A transferência dele havia sido pedida pelo juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal.

A defesa de Alves protocolou habeas corpus alegando ser a transferência do ex-ministro “desprovida de fundamento jurídico e razoabilidade”. De acordo com o advogado Marcelo Leal, o pedido para enviar Alves a Brasília fere “o direito subjetivo do custodiado de permanecer onde se encontra à disposição do Juízo da Vara Federal de Natal”.

O desembargador Ney Belo, do Tribunal Regional da 1ª Região, acatou o pedido.

“Tecidas considerações prévias, confiro relevância jurídica à presente impetração, tendo em vista que vislumbro a ocorrência concomitante da fumaça do bom direito, este em face da tese esposada no writ, quanto à desnecessidade de transferência do paciente para lugar diverso de sua residência, aliada ao fato de ser onerosa e descabida, haja vista que tanto o magistrado federal de Natal/RN quanto o do Distrito Federal gozam das mesmas prerrogativas funcionais e institucionais”, anota o magistrado.

Fonte: Estadão
Leia Mais ››

Transposição do São Francisco ‘estoura’ em Pernambuco


O canal da transposição do rio São Francisco se rompeu em Custódia, Pernambuco, neste sábado, 10. O rompimento, de acordo com jornais pernambucanos, ocorreu provavelmente em consequência de problemas de engenharia.

Prefeito de Sertânia, cidade próxima a Custódia, Ângelo Ferreira (PSB), disse que “a empresa responsável já conseguiu conter o vazamento”, adiantando que, embora muita água tenha jorrado em direção à um açude próximo, não há notícias de danos maiores.

O trecho em questão integra o Eixo Leste e foi o primeiro a receber a água do Velho Chico, percorrendo Pernambuco com destino à Paraíba.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Operação Vertente II beneficiará 110 mil pessoas no RN


As ações do Governo do Estado para minimizar os efeitos da seca no Rio Grande do Norte vêm ajudando os municípios a enfrentar o problema. Um deles é São Miguel, na região Oeste do Estado, onde a área urbana recebe água através de caminhões-pipa. “São Miguel tem quase 25 mil moradores e mais da metade é beneficiada com a ação do governo. É com a Operação Vertente que a população tem acesso a água boa e de qualidade”, afirmou o prefeito José Gaudêncio.

Além de São Miguel, outros 16 municípios do Rio Grande do Norte estão sendo contemplados com a Operação Vertente II, que leva água potável para cidades com colapso no abastecimento. Os detalhes da segunda fase da Operação, que vai beneficiar 110 mil pessoas, foram apresentados pelo governador Robinson Faria e equipe técnica nesta segunda-feira (12), na Governadoria, para prefeitos e gestores municipais.

A Operação Vertente II, coordenada pelo Gabinete Civil através da Defesa Civil Estadual foi iniciada no dia 1° de julho deste ano, segue por 180 dias e beneficiará os municípios de Alexandria, Almino Afonso, Antônio Martins, Bodó, Caicó, Francisco Dantas, João Dias, José da Penha, Lagoa Nova, Marcelino Vieira, Paraná, Pilões, Rafael Fernandes, São Miguel, Serrinha dos Pintos, Tenente Ananias, Tenente Laurentino. Ao todo, estão sendo investidos R$ 12,7 milhões oriundos do Ministério da Integração Nacional.

As rotas realizadas pelos caminhões-pipa são monitoradas através de sistema de georreferenciamento via satélite utilizando cartão eletrônico. Isto ocorre desde os pontos de captação até a entrega da água para evitar problemas de desvios. A Primeira fase da Operação Vertente aconteceu no período de setembro de 2016 a fevereiro de 2017, e abasteceu 13 cidades das regiões Alto Oeste e Seridó, atendendo 150 mil pessoas.

Plano Emergencial de Segurança Hídrica

Além da Operação Vertente II, o Governo do Estado ainda mostrou como está o andamento do Plano Emergencial de Segurança Hídrica para prefeitos e gestores municipais. Das ações previstas, como perfuração de poços profundos; poços com dessalinizadores; construção de adutoras; abastecimento alternativo (Operação Vertente) de água e distribuição de ração animal, algumas já estão sendo realizadas pelo Executivo Estadual e outras ainda precisam ser implementadas.

“Estamos entrando no sétimo ano consecutivo de seca no Rio Grande do Norte e precisamos unir esforços entre Estado e Municípios para fortalecer as ações para minimizar os efeitos da crise hídrica. Estamos constantemente buscando recursos em Brasília para trazer soluções emergenciais para este problema”, afirmou o governador Robinson Faria.

Durante o encontro, os municípios também foram informados sobre a implantação do Sistema Estadual de Proteção e Defesa Civil para tornar mais eficaz o atendimento à população em situação de emergência e desastres ocorridos no Rio Grande do Norte.

Também foram apresentadas as instruções para que os municípios informem à Coordenadoria Estadual de Defesa Civil as demandas de seus territórios e como elaborar os Planos detalhados de reposta.

Estiveram presentes na apresentação a Secretária-Chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha; o diretor-presidente da Caern, Marcelo Toscano; o secretário-adjunto de Recursos Hídricos, Mairton França e o diretor geral do Igarn, Josivan Cardoso.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Tite confirma seleção com oito mudanças para amistoso com a Austrália


A seleção brasileira está definida para o seu segundo amistoso em Melbourne, nesta terça-feira, às 7h05 (horário de Brasília), diante da Austrália. Nesta segunda, a equipe encerrou a preparação para o compromisso com um treinamento no Lakeside Stadium em que o técnico Tite confirmou uma escalação com oito alterações em relação ao duelo com a Argentina, na última sexta-feira, quando a equipe perdeu por 1 a 0.

Tite comandou um trabalho tático em campo reduzido. E escalou o time titular com a seguinte formação: Diego Alves; Rafinha, Thiago Silva, Rodrigo Caio e Alex Sandro; David Luiz, Paulinho e Philippe Coutinho; Giuliano, Diego Souza e Douglas Costa.

Só uma das alterações foi realizada por necessidade: a entrada de Diego Souza na vaga de Gabriel Jesus, que sofreu uma fratura na órbita esquerda, estrutura que protege o olho, após ser atingido pelo cotovelo de Otamendí no amistoso da última sexta.

As mudanças por opção começaram no gol, onde Diego Alves trabalhou no lugar de Weverton. Nas laterais, Rafinha e Alex Sandro substituírão Fagner e Filipe Luís, respectivamente. Rodrigo Caio treinou ao lado de Thiago Silva na zaga, enquanto David Luiz foi escalado como volante, no lugar de Fernandinho, na maior surpresa da seleção para o duelo com a Austrália. Além disso, Douglas Costa e Giuliano treinaram no setor ofensivo, nas vagas de Renato Augusto e Willian.

Assim, somente três jogadores que foram titulares contra a Argentina serão mantidos na formação titular do Brasil por Tite para o amistoso contra a Argentina: o zagueiro Thiago Silva, o volante Paulinho e o meia Philippe Coutinho.

Fonte: Estadão
Leia Mais ››

Defesa de Ricardo Motta descarta delação premiada


A defesa do deputado afastado Ricardo Motta informou nesta segunda-feira que não há porque falar em delação premiada, conforme foi ventilado no fim de semana.

“Nosso escritório é conhecido por defender sem recorrer ao instrumento da delação. Não sei de onde saiu essa informação, mas não procede a intenção de delatar do deputado Ricardo Motta”, informou o advogado Thiago Cortez.

Ricardo Motta foi afastado de suas funções por 180 dias na semana passada. Ao Tribunal de Justiça, a defesa do parlamentar recorreu contra a decisão monocrática do relator do caso, o desembargador Glauber Rêgo.

Foi o afastamento que gerou a especulação de que Motta estaria disposto a contribuir com as investigações. A defesa pedirá ao plenário que a decisão de Glauber Rêgo seja revista.

Vazamento

Na sexta-feira, após o portalnoar.com antecipar que o desembargador Glauber Rego determinou apuração sobre o Ministério Público para apurar o vazamento de informações, o procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis, convocou coletivo para informar que vai aos órgãos de controle superiores pedir apuração sobre o Judiciário.

Nesta segunda (12), a reportagem obteve a íntegra da petição que levou o magistrado a considerar como suspeito o Ministério Público, o que o fez excluir o TJRN na apuração prelimiinar que Glauber havia determinado.

Em mensagem interna grupos de Whatsapp, o procurador-geral informou que havia apresentado duas denúncias contra o deputado. Na data da mensagem, contudo, apenas uma já era pública.

O rito legal prevê que a apresentação de uma denúncia encerra o sigilo de uma apuração.

Na sexta, ao se defender, o PGJ lembrou que foi ele quem pediu a investigação, explorando que seria ilógico, portanto, ele mesmo vazar informações para o investigado.
Para a defesa de Ricardo Motta é tudo lógico.

“No momento em que tomamos ciência dos números que foram repassados ao deputado Ricardo Motta, vimos que se referiam a processos em sigilo e pedimos vistas sem saber nem do que se tratava”, explicou Thiago Cortez.

As medidas tomadas pela defesa, argumenta Cortez, levaram o PGJ pode alegar que houve vazamento que dificultou o andamento processual, reforçando ao TJRN seu argumento de que o deputado deveria ser afastado para evitar obstrução à Justiça.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

América segue líder após perder a primeira na Série D


O América perdeu a primeira partida no Campeonato Brasileiro Série D. Nesse domingo, 11, o time americano foi derrotado fora de casa, pelo Jacobina, por 1 a 0, no estádio José Rocha, na cidade que dá nome a equipe local, na Bahia.

Quem marcou o gol solitário da partida foi o atacante Deon. O tento aconteceu aos 21 minutos do segundo tempo.

Mesmo com a derrota, o time americano continua líder isolado do Grupo A9, com nove pontos somados. Do outro lado, o Jacobina continua vivo com seis pontos, e ocupando a terceira posição.

RN na Série D

Outro representante do estado na Série D, o Potiguar também perdeu. No Piauí, o time foi derrotado pelo River, por 2 a 1, e segura a lanterna do Grupo A5, com a apenas dois pontos. Por fim, o Globo conseguiu a única vitória do RN na rodada. A equipe venceu por 1 a 0 e chegou aos seis pontos. Todos no Grupo A6 estão com esta mesma pontuação.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Maior cuscuz do mundo atrai milhares em Caruaru


No São João de Caruaru, em Pernambuco, um dos dois maiores do país, a celebração da comida à base de milho, típica dos festejos de junho, é levada à sério pela população. Hoje (11), o Festival de Comidas Gigantes da cidade teve seu ponto alto com a Caminhada do Forró e a distribuição do cuscuz que a organização promete ser “o maior do mundo”.

A concentração da Caminhada do Forró começou às 13h, em frente ao aeroporto em direção ao Alto do Moura. O “maior cuscuz do mundo” foi distribuído às 17h. Foram usados 800 quilos de floco de milho para produzir o alimento. A cuscuzeira, de 4,2 metros, feita sob medida na Feira de Caruaru, precisou de uma escada pra que os funcionários chegassem até a tampa. Para abrir, foi montado um sistema de roldanas.

Como sempre tem alguém posando junto da panela gigante, o utensílio acabou virando ponto turístico. A abertura da tampa é um acontecimento. De cima da plataforma, o idealizador do cuscuz gigante e presidente da União dos Criadores das Comidas Gigantes de Caruaru, José Augusto Soares, joga os flocos para o alto, animado pelo cantor da banda do trio elétrico parado ao lado do ponto de distribuição.

A equipe começa a subir e descer a escada, apressada, levando o cuscuz para a partilha. A multidão batalha por um lugar próximo a grade, de modo a pegar um pote. Como acompanhamento, é servida salsicha ao molho de tomate.

A costureira Josefa Freitas, 66 anos, veio com a família de Toritama, município vizinho de Caruaru. Ela foi uma das primeiras a receber a comida. “A cutura nordestina é o cuscuz, a canjica e a pamonha. É o milho”, disse. O neto dela, Hewerton Leite, de 19 anos, que pela primeira participou do evento, afirmou que a comida é apenas um detalhe para se juntar ao povo. “O que vale é a farra, a festa.”

Maratona na cozinha

Para deixar tudo pronto, o trabalho começou ontem (10). Eram cerca de três horas da manhã quando o cuscuz foi pra cuscuzeira gigante. A cozinheira, Maria Selma da Silva, 45 anos, revelou que  a iguaria não é feita somente na panela grande. Segundo ela, primeiro os flocos de milho são cozidos em recipientes menores, trabalho iniciado às 20h, aproximadamente. Depois, tudo é reunido na estrutura gigante, aguardando a hora de servir.

A equipe da cozinha tem sete pessoas. Maria Selma, que no dia a dia é empregada doméstica, é responsável pelo preparo há nove anos. Já acumulava quase duas décadas de experiência na produção da canjica gigante em sua comunidade, Peladas. “Quem trabalha em casa de família, sabe como é puxado. Você dar conta de sua casa, de onde você trabalha, de filho, marido e, no fim de semana, ainda enfrentar uma coisa dessa. Só gostando muito”, acrescentou. “Ave Maria! É bom demais. Tem pareia não. São João é assim. Tem de ter comida de milho, forró pé de serra. É isso que faz a festa”.

Comidas Gigantes

A comida gigante é um costume de Caruaru, iniciado com a pamonha gigante. O cuscuz, feito há 24 anos, foi a segunda iguaria e atualmente são mais de 30 alimentos gigantes feitos durante o mês de junho para o festival.

Idealizador do evento, José Augusto Soares brincou afirmando que a tradição da comida gigante vem da mania de grandeza do povo de Caruaru – que adota o slogan de “maior e melhor São João do mundo”, competindo com o festejo de Campina Grande, na Paraíba – e da cultura do povo do Nordeste.

“O nordestino é assim. Recebe as pessoas em suas casas com aquela fartura. O pessoal tem o prazer e a satisfação de dar com força o alimento para as pessoas”. Pra hoje, o cálculo foi de 100 mil visitas.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Assalto termina em tiro no rosto de vítima em Natal


Um carro tomado de assalto na rua Felipe Camarão teve um desfecho dramático, já que uma das vítimas foi baleada.

Um tiro no rosto foi o que atingiu o personal Fábio Oliveira, professor da Musf Academia.

Em vídeo, o drama dele e sua mulher é narrrado. A reportagem tentou contato para confirmar o estado de saúde da vítima mas ainda não obteve resposta.

Confira o vídeo


Tocador de vídeo
00:00
01:46

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Senado ignora decisão do STF sobre Aécio


Mais de 20 dias após o STF (Supremo Tribunal Federal) determinar que Aécio Neves (PSDB-MG) fosse afastado do mandato, o Senado ainda não cumpriu a decisão da corte.

O nome do tucano permanece no painel de votação e na lista de senadores em exercício do site do Senado. Seu gabinete tem funcionado normalmente. Se o tucano comparecesse a uma sessão estaria apto a votar, de acordo com técnicos consultados.

A Folha procurou desde quinta (8) o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), sua assessoria e a assessoria do Senado questionando as razões do descumprimento da decisão do STF. Não houve resposta.

O tema ainda não foi debatido pela Mesa do Senado, apesar de alguns senadores terem pedido reunião do colegiado a Eunício. É possível que haja encontro na próxima semana sobre o assunto.

Na decisão do dia 17 de maio, Edson Fachin determinou que Aécio ficasse suspenso “do exercício das funções parlamentares ou de qualquer outra função pública”, impedindo-o ainda de se encontrar com réus ou investigados no caso de deixar o país.

Fonte: Folha Press
Leia Mais ››

JBS convoca mais executivos para aderir à delação


Uma nova leva de executivos do grupo empresarial controlado pela J&F vai colaborar para complementar as delações já firmadas com a Procuradoria-Geral da República. A lista de candidatos está em elaboração, mas o Estado apurou que ao menos 20 executivos, entre diretores e presidentes de empresas do grupo, tinham proximidade com os acionistas, conhecimento dos ilícitos e podem terminar como novos delatores. A JBS tem 120 dias, a partir do acordo, para apresentar a lista.

Colaborações adicionais são necessárias para que outros funcionários, que conhecem ou tenham participado dos crimes confessados, confirmem o que foi relatado pelos delatores. No caso dos negócios da família Batista, os crimes narrados indicam que será preciso selecionar colaboradores na JBS, que atua no setor de bovinos com várias marcas, entre elas a Friboi; na Seara, empresa de alimentos à base de frangos e suínos; na Eldorado Celulose, do setor de papel; e também na J&F, a holding que assumiu multas e compromissos legais.

Não há regras para enquadrar como cada funcionário de empresa vai colaborar (mais informações nesta página). “Cada empresa ou delator é um caso individual, não há receita”, diz o advogado Bruno Espiñeira Lemos, coordenador do livro que trata de crimes de corrupção e delação premiada, defensor do corretor Lúcio Funaro, citado na delação dos irmãos Batista.

Restrito. No caso do grupo J&F, a complementação é necessária principalmente por causa das condições em que a denúncia ocorreu. A delação – considerada polêmica e criticada por supostos excessos nos benefícios – teve um caráter restrito

O empresário Joesley Batista foi prático: fechou-se em uma sala de reunião com o irmão Wesley e cinco executivos de confiança – Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais; Demilton Antônio, diretor financeiro da JBS; Valdir Boni, diretor de Tributos da JBS; Florisvaldo Caetano de Oliveira, ex-conselheiro fiscal da JBS; e o advogado Francisco de Assis, diretor jurídico da JBS.

O combinado entre eles é que seria preciso falar de maneira organizada sobre as acusações em operações policiais que tinham atingido os negócios e cada um se preparou para depor. O processo foi ágil. Entre 7 de março, data em que Joesley esteve com presidente Michel Temer, no Palácio do Jaburu, e a divulgação das delações não transcorreram nem três meses.

Por causa da atípica celeridade, os críticos ao acordo de delação premiada da JBS dizem que a colaboração foi feita às pressas. No entanto, fontes próximas à empresa argumentam que houve foi orquestração interna e o nível de eficiência dessa estratégia explica o fato de nada ter sido vazado – nem mesmo para os demais funcionários, pegos de surpresa com o noticiário de que o dono da empresa havia gravado conversas com o presidente da República.

Não é possível, de antemão, saber o número de envolvidos nem quantos vão aderir à colaboração. No entanto, criminalistas que já usaram o instrumento da delação, ouvidos pela reportagem com o compromisso de permaneceram no anonimato, acreditam que pela extensão dos delitos narrados, é impossível que apenas sete executivos tenham agido ativamente.

Fonte: Estadão
Leia Mais ››

STF reage contra espionagem a Fachin


A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, defendeu a apuração de suposta devassa contra o ministro Edson Fachin, relator do inquérito contra o presidente Michel Temer na Corte, pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

“É inadmissível a prática de gravíssimo crime contra o Supremo Tribunal Federal, contra a democracia e contra as liberdades, se confirmada informação de devassa ilegal da vida de um de seus integrantes”, afirmou a ministra em nota oficial.

Mesmo sem citar o nome do ministro Fachin ou da Abin, Cármen Lúcia disse que tal prática é “própria de ditaduras”, “absolutamente inaceitável numa República democrática” e “tem de ser civicamente repelida, penalmente apurada e os responsáveis exemplarmente processados e condenados na forma da legislação vigente”. A nota da ministra é uma reação à notícia veiculada pela revista Veja de que a Abin, a pedido do governo Temer, estaria investigando a vida do ministro Fachin.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Henrique é apontado como potencial delator que preocupa


Michel Temer chegou ao topo do poder de mãos dadas com os amigos. Assinou o termo de posse como presidente interino, em 13 de maio do ano passado, graças a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que comandava a Câmara e colocou em votação o processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Aproveitou a tinta da caneta e nomeou o deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) como ministro do Turismo e o suplente de deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) como seu assessor especial. O doleiro Lúcio Bolonha Funaro assistiu a tudo em liberdade.

Passado pouco mais de um ano, Cunha, Alves, Rocha Loures e Funaro acompanham de dentro da prisão a crise que se abate sobre o colega presidente, hoje não mais interino. Temer também está atento ao que se passa com seus bons companheiros.

Há entre os ocupantes do Palácio do Planalto o temor de que integrantes desse quarteto possam usar a delação premiada como atalho para abreviar o tempo de cadeia. Pelo menos dois deles já deram sinais de que podem falar.

Lúcio Funaro, responsável pela engenharia financeira dos esquemas dos pemedebistas, trocou de advogado. Cézar Bittencourt, que o defendia, abandonou o caso dizendo que a delação geraria conflito de interesses com outros clientes. Os atuais advogados de Funaro não desmentem nem confirmam o desejo do cliente em delatar. “Conversei com meu sócio [Bruno Espiñeira Lemos] e por enquanto nada a declarar”, disse o advogado Victor Minervino Quintiere.

Nos bastidores, os pemedebistas temem que Funaro ensine aos procuradores o caminho das propinas pagas em diversos esquemas de corrupção envolvendo políticos do partido. Funaro é pivô, segundo o Ministério Público, de uma organização criminosa que cobrava propina de empresários que pleiteavam financiamentos administrados pela Caixa. O PMDB controlava postos-chave no banco.

Foi, segundo José Yunes, ex-assessor de Temer, o portador de R$ 1 milhão da Odebrecht em caixa dois entregue no escritório do presidente, em 2014. Estourou o escândalo da JBS e ele não ficou de fora. Segundo Joesley Batista, a empresa repassou R$ 170 milhões à dupla Cunha e Funaro.

Não bastasse todo esse histórico, nesta semana circulou entre políticos que o operador teria gravado parlamentares que teriam recebido propina das mãos dele.

Cunha também manda recados nada sutis. Em dois processos, um por corrupção na Petrobras e outro onde é acusado de chefiar um esquema de cobrança de propina na Caixa, arrolou Temer como testemunha.

Enviou a ele perguntas –as últimas na semana passada– que foram vistas como um aperitivo do que seria sua delação. “Eduardo tentou me fustigar”, disse Temer a Joesley Batista, da JBS.

Os temas eram a relação de Temer com empresários investigados na Lava Jato, seu papel na nomeação de diretores da Petrobras que foram presos, o que ele sabe sobre episódios de pagamento de propina na Caixa e sobre arrecadação de campanhas.

Na cadeia Cunha passa o dia escrevendo e falando com advogados. Uma delação, no entanto, não seria para já. Segundo pessoa próxima a Cunha, o tempo de falar é quando o procurador-geral da República não for mais Rodrigo Janot.

Os dois travaram duras batalhas e ele considera impossível fazer um bom acordo com o atual chefe do Ministério Público Federal. Em setembro, vence o mandato de Rodrigo Janot, que será substituído por um nomeado de Temer.

Cunha e Funaro estão presos desde o ano passado. Já Rocha Loures e Alves, com poucos dias de prisão, permanecem em silêncio. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, declarou que espera a continuidade desse “padrão ético”.

Fonte: Folha Press
Leia Mais ››

Criminosos abandonam no Vingt Rosado carro roubado após se envolverem em acidente na Leste Oeste


Policiais da Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (ROCAM) com apoio de Rádio Patrulha do 12º BPM, localizaram na manhã desta segunda feira 12 de junho, no Conjunto Vingt Rosado em Mossoró RN, um carro com queixa de roubo. 

Segundo informações da PM, o veículo, um Honda Civic de preta ano 2015, modelo 2016 com placas QGB-7561 roubado no dia no último dia 06 no bairro Boa Vista, foi abandonado depois que se envolveu num acidente de trânsito na Avenida Leste Oeste. 

Nenhum suspeito foi localizado nas proximidades do carro, que após ser recuperado foi encaminhado à Delegacia Especializada em Furtos e Roubos, para os devidos procedimentos.


Fonte: Fim da Linha
Leia Mais ››

Polícia registra homicídio a bala em Antônio Martins na noite deste domingo.


A Polícia Militar de Antônio Martins, na região Oeste do Rio Grande do Norte, registrou na noite deste domingo 11 de junho, um crime de homicídio a bala naquela cidade. 

Segundo informações, um popular identificado como Jean Carlos de Lima Mesquita, foi morto a tiros em via pública, em meio a festa do padroeiro daquela cidade. 

Ainda não se sabe, qual teria sido a motivação do crime, nem a identidade dos responsáveis pelos disparos que mataram a vítima.  A Polícia informou que Jean Carlos, não tinha antecedentes criminais.

O corpo foi recolhido pela equipe do ITEP e encaminhado à sua base em Mossoró onde será necropisiado e depois liberado para sepultamento. A Polícia Civil vai investigar o crime.


Fonte: Fim da Linha
Leia Mais ››