RÁDIO CIDADE AO VIVO

Ouça pela Rádios Net ou clique na imagem abaixo

Ouça pelo Listen 2 My Rádio ou clique na imagem abaixo

Imagem relacionada
Loading ...

terça-feira, junho 06, 2017

Policia Militar consegue recuperar mais dois veículos que estava em poder de criminosos que vem aterrorizando a região.


Dando continuidade a uma operação realizada pelos policiais militares do GTO de Apodi juntamente com o GTO de Patu, que aconteceu na última Sexta feira dia 02/06, onde na ocasião o GTO de Apodi após um trabalho investigativo desenvolvido pelos próprios policiais que estavam na ocorrência, conseguiu localizar o esconderijo de um bando que vem realizando assaltos nas cidades circunvizinhas, e recuperar duas motocicletas, colete balístico e celulares abandonado pelos criminosos no momento da chegada da policia. 

Desde então, as investigações continuaram e na manhã desta Terça feira, após uma denúncia anônima repassada aos policiais militares de Umarizal, o GTO de Apodi juntamente com o GTO de Patu e Rádio Patrulha da cidade de Umarizal, em diligência pela cidade e região de Umarizal a procura dos integrantes do bando, conseguiu recuperar dois carros roubados; Um Fiat Punto que havia sido tomado de assalto na madrugada de Sexta feira dia 02/06, quando quatro criminosos, sendo três homens e uma mulher, invadiram uma residência, fizeram a família refém e após um arrastão, fugiram com o veículo da família, e uma Pick-up Strada que havia sido tomada de assalto ha vários dias na Zona Rural de Patu. 

Os dois veículos foram levados e entregues na delegacia de policia civil para a realização dos procedimentos cabíveis. As investigações não irão parar até que consigamos botar as mãos na quadrilha, que inclusive sabemos quem são. Disse o comandante da operação. 







Ocorrência onde o GTO conseguiu recuperar duas motocicletas roubadas e localizar esconderijo da quadrilha. 



Fonte: Sentinelas do Apodi
Leia Mais ››

FIERN e Prefeitura de Itaú discutem parcerias para o município


O presidente do Sistema FIERN, o empresário industrial Amaro Sales de Araújo, recebeu na tarde desta segunda-feira (05), o prefeito de Itaú, Ciro Bezerra, acompanhado do diretor Vilmar Pereira e o superintendente de Relações Institucionais da Federação das Indústrias, Hélder Maranhão.

Ciro Bezerra buscou o apoio da Federação para levar o projeto Pró-Sertão para o município de Itaú. “Estamos buscando uma forma de promover a empregabilidade e o empreendedorismo da região e com a nova Lei da Terceirização, este pode ser o caminho”, destacou o prefeito.

O Pró-Sertão é um projeto de interiorização da indústria têxtil, desenvolvido através da parceria entre FIERN, SEBRAE e Secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, que objetiva contribuir para geração de emprego e renda através da implantação de novas empresas de confecção.

A região já possui um potencial de investimento no setor de confecções, mas ainda há um amplo trabalho a ser desenvolvido. “Um dos grandes problemas do Brasil hoje é a questão da empregabilidade. Temos mais de 14 milhões de brasileiros desempregados”, destacou Amaro Sales, lembrando ainda da necessidade da existência de empresas e mão-de-obra qualificada.

Além do Pró-Sertão, foi abordado ainda a possibilidade de instalação de uma unidade da biblioteca do SESI Indústria do Conhecimento em Itaú e outras formas de fomentar o desenvolvimento econômico da região.

Fonte: Fiern
Leia Mais ››

MPF recebeu da Suíça dados bancários de Henrique


A Suíça repassou aos procuradores brasileiros detalhes das transações de Henrique Alves, o ex-ministro do Turismo do governo de Michel Temer, há um ano. Ele era investigado em Berna desde fevereiro de 2016 por crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Mas, antes de ter seu dinheiro bloqueado, ele pode ter conseguido transferir grande parte dele para o Uruguai e Dubai. O ex-ministro foi preso pela Polícia Federal nesta terça-feira, 6, na Operação Manus.

Alves foi o terceiro ministro da gestão de Michel Temer a cair e, em uma carta, explicou que não queria criar “constrangimentos” para o presidente interino. Em delação premiada o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado conta que deu propinas no valor de R$ 1,5 milhão para Henrique Alves, entre 2008 e 2014.

Na Europa, fontes próximas ao caso confirmaram ao jornal O Estado de S. Paulo que Alves, num primeiro momento, foi descoberto com uma conta com depósitos que variavam entre US$ 700 mil e US$ 1 milhão.

Mas, um mês depois do início da investigação, o ex-ministro pode ter transferido o dinheiro para contas no Uruguai e Dubai. A investigação revelou que quem pode ter ajudado na transferência seria a empresa Posadas & Vecino, com escritórios em Montevidéu e em Genebra. A empresa ainda foi citada de forma direta ou indireta em operações de contas abertas pela Odebrecht, ex-diretores da Petrobras e até pelo ex-deputado Eduardo Cunha.

A reportagem visitou em Genebra o endereço oficial que a Posadas & Vecino apresenta em seu site. O local, porém, é apenas uma sala alugada dentro de um outro escritório. As secretárias sequer conheciam o nome da pessoa que, algumas vezes por semana, passa pelo local apenas para recolher cartas. No registro comercial de Genebra consultado pela reportagem, a empresa aparece como registrada nas Ilhas Virgens Britânicas.

No caso do ex-ministro, a investigação começou em Berna, sob a suspeita de que a conta tenha sido alimentada por recursos de propinas. A conta de Alves, porém, seria uma das mais de mil contas hoje bloqueadas pelos suíços em seus bancos locais relacionadas com a Lava Jato.

Mas, para os suíços, o caminho adotado foi o mesmo seguido no caso do ex-deputado Eduardo Cunha. Para a procuradoria suíça, não faria sentido processar o brasileiro, leva-lo a um julgamento em Berna e, em seguida, jamais conseguir sua punição. O Brasil não extradita seus nacionais.

A ideia negociada com os procuradores no Brasil foi a de transferir o caso para que Alves, agora, seja investigado e julgado no próprio País. Para os suíços, a transferência do caso também permitiria que a Justiça no Brasil possa agir de forma rápida para garantir que as provas e mesmo os recursos não sejam perdidos.

“Diante do fato de que Henrique Alves ser um cidadão brasileiro, ele não pode ser extraditado para a Suíça”, explicou o MP, ainda no ano passado. “Por esse motivo, a Procuradoria pediu em março de 2016 para que o processo seja transferido ao Brasil”, disse. “Isso seria feito para permitir que o caso pudesse ser investigado e julgado por autoridades brasileiras”, completou.

Fonte: Estadão
Leia Mais ››

Alves foi preso para evitar destruição de provas e movimentação em contas suspeitas, diz juiz

Ex-ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves foi preso na manhã desta terça-feira (6) no apartamento onde mora, no bairro de Areia Preta, Zona Leste de Natal, durante operação da Polícia Federal (Foto: Frankie Marcone/Futura Press/Estadão Conteúdo)

A prisão do ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves nesta terça-feira (6) foi baseada no suposto risco, apontado pelo Ministério Público Federal (MPF), de que o político ocultasse ou destruísse provas, ou movimentasse contas bancárias investigadas na operação Sépsis – um dos desdobramentos da Lava Jato. O argumento do MP foi acatado pelo juiz da 10ª Vara Federal Vallisney de Souza Oliveira.
"Em liberdade como está até agora, Henrique Alves pode livremente movimentar as contas, colocar em nome de laranjas, apagar ou tentar apagar o produto do que se diz ser crime, usar os valores para fins diversos, em prejuízo do processo penal a que responde ou outras investigações que eventualmente venham a ocorrer", diz a sentença.
Os mandados de prisão foram cumpridos na manhã desta terça pelo MPF e pela PF, em operação para apurar irregularidades nas vices-presidências de Fundos e Loterias e de Pessoas Jurídicas da Caixa Econômica Federal.
Além de Henrique Eduardo Alves, a decisão atinge o ex-deputado Eduardo Cunha, o consultor André Luiz de Souza, o banqueiro José Augusto Ferreira dos Santos e o gerente nacional de Fundos Imobiliários da Caixa Econômica, Vitor Hugo dos Santos Pinto. Até as 18h desta terça, apenas André Luiz seguia foragido.
Operação Sepsis
A operação Sepsis foi deflagrada em 1º de julho de 2016 como desdobramento da operação Lava Jato. O objetivo era investigar um suposto esquema de pagamento de propina para liberação de recursos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa Econômica Federal.
Entre os alvos da primeira fase da Sepsis estavam o doleiro Lucio Funaro – ligado a Eduardo Cunha, segundo o MP –, o sócio do grupo J&F Joesley Batista e o empresário Henrique Constantino.
Em notas divulgadas à época, Joesley Batista não se manifestou sobre as investigações. Cunha, Funaro e Constantino alegaram inocência, e disseram que prestariam as informações solicitadas pela Justiça.
Também em nota lançada em junho de 2016, a Caixa disse lamentar que " apesar de sua rígida estrutura de governança e de qualidade técnica dos investimentos, um suposto esquema possa ter se utilizado de informações encaminhadas aos membros dos órgãos deliberativos do fundo [FI-FGTS] para obtenção de vantagens escusas".
Os desdobramentos da Sepsis tramitam na primeira instância desde setembro. O caso chegou a ser remetido ao Supremo Tribunal Federal, mas foi entregue à 10ª Vara Federal porque Eduardo Cunha foi cassado e perdeu o foro privilegiado.
Segundo a denúncia, Cunha teve "atuação de destaque" na implantação e no funcionamento do esquema de propina, que também teria beneficiado o ex-ministro Henrique Eduardo Alves. Os crimes teriam sido auxiliados pelo ex-vice-presidente de Loterias da Caixa, Fábio Cleto, que teve a delação premiada homologada pelo STF em junho de 2016.
As ações também se baseiam em depoimentos de oito executivos da Odebrecht, remetidos à primeira instância há pouco mais de um mês pelo relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin.

Fonte: G1
Leia Mais ››

CNMP pede explicações ao MPRN sobre pagamentos de indenizações de férias e licenças

MPRN pagou R$ 19 milhões extras com o pagamento de 210 promotores e procuradores de justiça somente em abril (Foto: Divulgação/Ministério Público do RN)

O procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Norte, Rinaldo Reis, tem prazo de 5 dias para explicar ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) os pagamentos de férias e licenças prêmios vencidas a promotores, procuradores e servidores do MP potiguar.
A notificação foi expedida hoje e o prazo para as explicações vai até a próxima segunda-feira. Quem fez a notificação foi o relator do processo, Antônio Duarte. Só depois das explicações ele vai decidir se concede a liminar que pede a suspensão dos pagamentos.
Em março deste ano, uma resolução expedida pelo procurador-geral de Justiça regulamentou o pagamento em dinheiro de férias e licenças-prêmio não tiradas de membros e servidores do MPRN. Só em abril, o MP gastou R$ 19 milhões extras com o pagamento de 210 promotores e procuradores de justiça.
O CNMP é composto por 14 membros de diversos órgãos e fiscaliza a atuação administrativa e financeira dos Ministérios Públicos em todo o país. O conselheiro
O conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Fábio George Cruz da Nóbrega abriu um Procedimento de Controle Administrativo pedindo a suspensão imediata de quaisquer providências administrativas adotadas para o pagamento de indenizações de férias e licenças de servidores e membros do Ministério Público Estadual do RN. Ele argumenta que o benefício - que só em abril somou R$ 18, 5 milhões - é ilegal e fere o princípio da moralidade.
A assessoria do MPRN informou que o órgão foi comunicado oficialmente pelo CNMP na tarde desta terça-feira. "O documento foi encaminhado à Coordenadoria Jurídica Administrativa (CJAD) para análise dentro do prazo concedido pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e, após esta análise, será remetido ao Conselho com os devidos esclarecimentos".

Fonte: G1
Leia Mais ››

Preso de Alcaçuz foge pela porta da frente de hospital em Natal

Fugitivo estava internado no Walfredo Gurgel para tratar ferimento de bala (Foto: Sesap/Divulgação)

Um detento da Penitenciária Estadual de Alcaçuz – que estava internado no Hospital Walfredo Gurgel – fugiu nesta terça-feira (6) pela porta da frente da unidade hospitalar. O detento estava internado para tratar um ferimento de arma de fogo. O preso foi identificado como Raimundo Kleber Benício da Costa, de 30 anos.
De acordo com a assessoria da Polícia Militar, o preso conseguiu destravar as algemas que o prendiam à cama e escapou se aproveitando da ausência do agente penitenciário e do policial militar que faziam a guarda do local.
Ainda segundo a PM, no momento da fuga, o agente penitenciário teria ido almoçar e o policial militar estava no banheiro.
Ao G1, a direção de Alcaçuz confirmou que o detento é membro de uma das facções criminosas envolvidas nas rebeliões que ocorreram em janeiro. Na ocasião, pelo menos 26 presos foram assassinados.
Maior penitenciária do Rio Grande do Norte, Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.
Em nota, a assessoria de comunicação da Secretaria de Justiça e da Cidadania (Sejuc) disse que o detento, que foi preso por tráfico em fevereiro de 2014 na operação ‘Missionários do Inharé’, foi escoltado para o hospital no dia 30 de maio para ser submetido a uma cirurgia ortopédica, e que os responsáveis pela custódia foram registrar a fuga e prestar depoimento à Polícia Civil.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Mulher é morta a tiros na Grande Natal; marido é principal suspeito

3º Batalhão da PM ouviu testemunhas no local (Foto: Divulgação/PM)

Uma mulher foi morta a tiros na tarde desta terça-feira (6) no centro de São José de Mipibu, município da Grande Natal. De acordo com o sargento Ramos, do 3º Batalhão da Polícia Militar, testemunhas apontaram o marido da vítima como culpado. A polícia está à procura do suspeito, que desapareceu.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Temer pede ao STF mais tempo para responder às perguntas da Polícia Federal


A defesa do presidente Michel Temer pediu nesta terça-feira (6) ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais tempo para responder às mais de 80 perguntas formuladas pela Polícia Federal na investigação da qual o presidente é alvo na Operação Lava Jato.
O prazo para Temer responder às questões por escrito termina nesta terça, mas os advogados pediram prorrogação até o fim da semana, na sexta (9) ou no sábado (10). Caberá ao relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, aceitar ou negar o pedido.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Ministro Lewandowski nega pedido de liberdade do ex-deputado Rocha Loures

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer (Foto: Reprodução/TV Globo)

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou nesta terça-feira (6) um pedido de liberdade de Rodrigo Rocha Loures, mantendo assim a prisão preventiva do ex-deputado e ex-assessor do presidente Michel Temer.
Detido no sábado (3) por ordem do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte, Rocha Loures é investigado por suposta prática de corrupção, obstrução da Justiça e de integrar organização criminosa.
No pedido de liberdade, os advogados negaram as suspeitas e afirmaram que Rocha Loures foi vítima de "coação ilegal" e dizem que a prisão preventiva – decretada antes de um julgamento e sem prazo para terminar – tem como objetivo forçar uma delação premiada.
Na decisão, Lewandowski barrou a tramitação do habeas corpus por motivos processuais: lembrou que, segundo o entendimento do STF, não cabe apresentar tal tipo de ação para derrubar a decisão de outro ministro da Corte.
Em decisão recente, o ministro já havia negado pedido semelhante apresentado pela defesa do procurador Ângelo Goulart, preso na Operação Patmos. Na ocasião, Lewandowski argumentou que a jurisprudência do Supremo proíbe habeas corpus contra decisão de ministros da Corte.
Nesta terça, o ministro utilizou do mesmo entendimento para negar o habeas corpus a Rocha Loures.
Relembre o caso
Em março, Rocha Loures foi filmado pela Polícia Federal recebendo em São Paulo uma mala com R$ 500 mil. Segundo delações de executivos da JBS na Lava Jato, o dinheiro era a primeira parcela de uma propina que seria paga por 20 anos.
A prisão foi pedida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Desde o fim de semana, Rocha Loures está no prédio da Superintendência da PF em Brasília. Ele deve ser transferido nesta quarta para o Presídio da Papuda, na capital federal.
A Polícia Federal informou que, antes da transferência, Loures prestaria depoimento às autoridades. Segundo a defesa, no depoimento Loures deve usar o direito de ficar em silêncio.

Rocha Loures perdeu o mandato na semana passada, quando o ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio decidiu retornar à Camara. Rocha Loures era suplente da bancada do PMDB e ocupava o posto de Serraglio.
O ex-deputado perdeu o foro privilegiado, mas continua investigado no STF por responder ao inquérito junto com o presidente Michel Temer.
Audiência de custódia
Nesta terça, a defesa de Rodrigo Rocha Loures pediu ao ministro Luiz Edson Fachin que o ex-deputado e ex-assessor do presidente Michel Temer passe por audiência de custódia (audiência com juiz que analisa se há necessidade da manutenção da prisão após flagrante) antes de eventual transferência para o presídio – a previsão era que Rocha Loures fosse transferido nessa quarta.
A defesa também pediu ao STF que assegure a Rocha Loures o direito de não ter a cabeça raspada caso seja transferido para o presídio, "como fizeram no Rio de Janeiro com Eike Batista" diz o texto do pedido.
A referência é ao empresário que teve a cabeça raspada ao ser transferido em janeiro para um presídio, no Rio de Janeiro. Em abril, após decisão do ministro Gilmar Mendes, Eike Batista deixou o presídio e foi para prisão domiciliar.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Condenado pelo STF, deputado Celso Jacob é preso pela PF no aeroporto de Brasília

O deputado federal Celso Jacob (PMDB-RJ), durante discurso na Câmara (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira (6) no aeroporto de Brasília o deputado Celso Jacob (PMDB-RJ), condenado pelo Supremo Tribunal Federal a sete anos e dois meses de prisão em regime semiaberto (que permite o trabalho fora da cadeia durante o dia). O deputado foi preso ao desembarcar.
No último dia 23, o STF rejeitou recurso apresentado pela defesa de Jacob e determinou a imediata execução da pena. A decisão da Primeira Turma do STF foi unânime e confirmou a condenação do parlamentar por falsificação de documento público e dispensa de licitação fora das hipóteses previstas em lei quando era prefeito de Três Rios (RJ).
A defesa do deputado argumenta que ele agiu de acordo com recomendações técnicas e que não gerou prejuízo para o município (veja outras informações mais abaixo).
Jacob foi condenado em 2006 e teve um primeiro recurso negado pelo STF em agosto do ano passado, mas a defesa recorreu novamente.
Na sessão do dia 23, os ministros da Primeira Turma consideraram que os recursos visavam apenas atrasar o processo e decidiram declarar o “trânsito em julgado”, isto é, a conclusão da ação, para cumprimentos dos efeitos da condenação.
Acusação
Ex-prefeito de Três Rios (RJ), Jacob foi acusado de contratar uma construtora inabilitada em licitação em 2002 para concluir, no final de 2003, a construção de uma creche. Para dispensar uma nova licitação, Jacob decretou estado de emergência na cidade.
Para custear as obras, ainda teria inserido, junto com um assessor, um crédito extra numa lei aprovada pela Câmara dos Vereadores, embora o projeto original não contava com o acréscimo.
O Ministério Público considerou que o ex-prefeito resolveu concluir a obra -- que estava parada há vários meses -- no final de 2003 porque seria candidato à reeleição no ano seguinte. Por isso, não haveria motivo para decretar emergência na cidade e dispensar nova licitação.

Defesa
Em sua defesa, o deputado alegou que agiu com base em recomendações técnicas e que não houve prejuízo ao município com as obras.
"Apenas agiu com o intuito de viabilizar a conclusão de uma importante obra que se encontrava inacabada", disse o advogado Thiago Carvalho.
Além disso, a defesa sustentou que Jacob não teve responsabilidade na adulteração da lei municipal, alegando que a assinou sem saber do que se tratava, auxiliado por um assessor.
Julgamento
No ano passado, o relator do caso, o ministro Edson Fachin, rejeitou as alegações da defesa. Afirmou que, pelas provas do processo, houve dolo (intenção de cometer o crime) do então prefeito, e condenou a alteração na lei feita sem aval dos vereadores.
"Não se admite numa República que o administrador escolha quem contratar. A todos devem ser dadas condições de igualdade [...] Os autos mostram persistência na inclinação em afrontar a lei", afirmou o ministro.
“Os elementos probatórios coligidos aos autos revelam que o apelante, imbuído do motivo espúrio de lustrar seu figurino político na cidade, em evidente atropelo aos trâmites legais para a correta observância não só da lei, mas também da finalidade pública, imbricou-se numa sequência de atos ilegais que visavam a atender sua imagem em detrimento das regras e princípios que regem a Administração Pública”, afirmou ainda, em seu voto.
Jacob foi condenado pelos crimes em 2006 na Justiça do Rio de Janeiro, época em que não era deputado federal. Como assumiu o mandato no início de 2013, o recurso subiu para análise do STF. Uma eventual perda do mandato pela condenação depende de decisão da própria Câmara dos Deputados.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Plenário do STF decidirá se Fachin continua como relator da delação da JBS

O ministro do STF Luiz Edson Fachin (Foto: Nelson Jr./STF)

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu levar ao plenário da Corte um pedido do governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), para que ele deixe a relatoria da delação da JBS. Ainda não há data para análise do pedido.
Com isso, caberá aos 11 ministros da Corte definir se Fachin continua como relator dos inquéritos ligados à colaboração de sete executivos da JBS no âmbito da Operação Lava Jato.
Segundo os delatores da JBS, Reinaldo Azambuja recebeu R$ 38 milhões. Um documento aponta que as negociações começaram na campanha eleitoral de 2010. O governador nega, chama as acusações de "mentiras deslavadas" e as considera um "absurdo".
Como governadores não são processados no STF, Fachin enviou as informações ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).
Fachin é o relator da Lava Jato no STF e homologou as delações no mês passado. O conteúdo dos depoimentos foi divulgado após o sigilo sobre as informações ter sido retirado pelo ministro.
No pedido ao Supremo, o tucano Reinaldo Azambuja alega que o caso não tem ligação com os desvios na Petrobras e, portanto, com a Lava Jato.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Poupança tem resultado positivo de R$ 292 milhões em maio, diz BC


A poupança reverteu a tendência de retiradas e registrou em maio o primeiro resultado positivo de 2017. No mês passado, os depósitos na poupança superaram os saques em R$ 292,6 milhões, informou nesta terça-feira (6) o Banco Central.
Segundo o BC, em maio foram depositados R$ 180,2 bilhões e retirados R$ 179,9 bilhões da poupança. A diferença entre os dois números é o resultado positivo de R$ 292,6 milhões.
Antes de maio, a última vez que os depósitos na poupança haviam superado os saques foi em dezembro de 2016. Apesar do resultado positivo de maio, em 2017 a poupança registra retirada líquida (superior aos depósitos) de R$ 18,38 bilhões.
Desde janeiro de 2015, quando houve agravamento da crise econômica, a poupança só registrou saldo positivo em quatro meses.
A queda da inflação nos últimos meses tornou a poupança um investimento mais atrativo para os aplicadores. Isso porque o rendimento das cadernetas está limitado em 6,17% ao ano mais a variação da Taxa Referencial (TR), quando a taxa de juros, a Selic, está acima de 8,5% ao ano - hoje ela está em 10,25% ao ano.
Saldo da poupança
Com a captação líquida de recursos da poupança, no final de maio o estoque dos valores depositados, ou seja, o volume total aplicado, registrou aumento.
No fim de dezembro de 2016, o saldo da poupança estava em R$ 664,9 bilhões. Ao fim de abril de 2017, somava R$ 661,91 bilhões e no final de maio ficou em R$ 665,507 bilhões.
Além dos depósitos e das retiradas, os rendimentos creditados nas contas dos poupadores também são contabilizados no estoque da poupança. Em maio, os rendimentos totalizaram R$ 3,303 bilhões.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Polícia do DF apura sequestro de bebê recém-nascido no hospital da Asa Norte

Corredor da materninade do Hospital Regional da Asa Norte, em Brasília, de onde um bebê desapareceu nesta terça-feira (Foto: Marília Marques/G1)

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga o sequestro de um bebê recém-nascido que desapareceu de um dos quartos do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) nesta terça-feira (6). Segundo familiares, a suspeita é de que uma "mulher de vestido florido" tenha levado a criança de dentro da maternidade. Até as 15h, a Secretaria de Saúde do DF ainda não comentava o assunto.
O caso deve ser investigado pela Divisão de Repressão ao Sequestro da Polícia Civil do DF. Em nota ao G1, a corporação informou que deve divulgar "as características da suspeita e um retrato falado", assim que as informações forem confirmadas.
Testemunhas ouvidas pelo G1 – que não quiseram ter o nome divulgado – afirmam que o corre-corre começou por volta das 8h, quando a mãe percebeu a ausência do bebê no quarto. A criança nasceu na última segunda (5), menos de 24 horas antes de sumir.
Ainda de acordo com os funcionários e pacientes que falaram ao G1, o suposto sequestro aconteceu em meio a um "dia de beleza" na instituição – quando pacientes recebem serviços de manicure, cabelereira e maquiagem.
As testemunhas disseram que a mãe, uma jovem de 19 anos, aguardava em uma fila no corredor, próximo ao quarto e, de repente, percebeu que a menina recém-nascida tinha sido sequestrada. Aos funcionários do hospital, a mãe disse que viu "a presença suspeita de uma mulher de vestido florido", e que acreditava que ela pudesse ter levado o bebê.

Fonte: G1
Leia Mais ››

O 7 que a torcida quer: na chegada, Éverton relaciona número ao hepta

Éverton Ribeiro foi apresentado oficialmente na tarde desta terça-feira (Foto: Fred Gomes)

Éverton Ribeiro, em seu primeiro dia de Rio de Janeiro, viveu de tudo um pouco o que o rubro-negro tem encontrado recentemente. Aerofla, apresentação no Salão Nobre da Gávea e a obsessão pelo 7, número que o principal reforço para 2017 utilizará. Ao explicar a escolha da camisa, a relacionou com fé, matrimônio e o que mais os flamenguistas pediram na temporada passada: o heptacampeonato brasileiro.
- O sete é uma referência bíblica, número perfeito. Me traz segurança. Casei no dia 7. E, como o Rodrigo tinha me dito, a torcida já estava fazendo ligações com o hepta para o Flamengo. Tudo acabou conspirando para eu usar a 7.
Antes de começar a falar pela primeira vez como rubro-negro, Éverton fez um tour pela história do clube. Conheceu o Fla-Memória, onde o Flamengo expõe taças, camisas e fotos históricas de todas suas modalidades. Deu um abraço "em Zico", na verdade na estátua do craque, e chegou ao Salão Gilberto Cardoso sob muitos aplausos.

Éverton Ribeiro posou ao lado estátua do Zico antes de ser apresentado (Foto: Fred Gomes)
Éverton Ribeiro posou ao lado estátua do Zico antes de ser apresentado (Foto: Fred Gomes)

Com contrato de quatro anos assinado, Éverton recebeu a camisa de número 7 das mãos do presidente Eduardo Bandeira de Mello, ao som do hino rubro-negro.
- Estou muito feliz de realizar o sonho, que é jogar nesse enorme clube que é o Flamengo, poder vestir esse manto. O que mais quero é conhecer e poder estar junto com o grupo. O sonho é de longa data. Todo jogador que se torna profissional sabe que o Flamengo tem uma torcida apaixonada. Não pensei duas vezes na hora de tomar a decisão. Foi difícil, mas estou aqui. Quero passar a alegria que tenho ao jogar bola para todo mundo, e agradecer esse carinho comigo e com minha família - declarou o novo reforço.
Mesmo sendo de outro Estado, a grandeza do Flamengo atinge o mundo inteiro. Toda criança sonha um dia jogar por esse clube
Vindo de longa temporada pelo Al Ahli, Éverton entraria de férias nesse meio de ano. Ele rejeita a ideia de descanso e planeja o início dos treinos para sexta-feira. O meia só pode ser inscrito e ficar livre para jogar a partir do dia 20 de junho, quando abre a janela internacional de transferências.
- A ideia é começar a treinar o mais rápido possível, já conversei com Rodrigo e com o médico. Como venho de fim de temporada, vamos tomar cuidados. Estou bem fisicamente, inteiro clinicamente, isso é importante. Já me mostraram fotos do CT, fiquei sabendo que é um dos melhores do Brasil. Sexta já estou de volta para estar com o grupo - destacou o jogador.
Durante a apresentação, o presidente do Flamengo falou brevemente sobre o processo de contratação do meia, fechada por 6 milhões de euros (R$ 22,6 milhões). Bandeira afastou especulações sobre ter ganho "gás" com a venda de Vinicius Júnior, que trouxe dinheiro - e muito: R$ 164 milhões - aos cofres rubro-negros.
- Pode parecer que tem a ver. Mas o contato com Éverton vem de alguns meses. Muito antes de qualquer transação do Vinícius Júnior.
Confira outros trechos da entrevista coletiva de apresentação
Sobre sensação de ser jogador do Flamengo
Muito feliz de realizar sonho de jogar nesse enorme clube, uma honra vestir esse manto e agora o que mais quero é conhecer e estar junto com este grande grupo que se formou, me entrosar o mais rápido possível e jogar junto dessa torcida, que é sensacional.
Quando começa a jogar?
A ideia é começar a treinar o mais rápido possível, como estou vindo de fim de temporada, vamos tomar cuidados. Estou bem fisicamente, inteiro clinicamente, isso que é importante. Fiquei sabendo que o CT é um dos melhores do Brasil. Vou tirar dois dias de descanso e sexta-feira estou de volta para estar com esse grupo muito bacana. Esse período que vou ter, vou voltar o mais rápido possível para treinar. Ficar 80%, 90%, e depois só com jogo entrar no ritmo. Mas acho que isso não vai demorar a acontecer, não.
A Seleção pesou para voltar ao Brasil?
Sonho jogar aqui, com certeza a Seleção também é objetivo. O que me fez optar pelo Fla foi o próprio Fla, história que tem, a força que essa camisa tem, essa torcida. Espero ser feliz aqui, conquistar títulos. É como posso deixar minha marca aqui no clube”
Passagem pelo Cruzeiro
No Cruzeiro foram dois anos espetaculares, conquistamos dois títulos brasileiros. Tenho amigos lá. Vai ter sempre um carinho especial pelo cruzeiro, mas agora é poder jogar pelo Flamengo. Tenho certeza que vai ser uma história de títulos.
Sobre ter recusado propostas de outros clubes
Tiveram alguns clubes, mas não cabe a mim ficar citando nomes. Mais importante é o que Flamengo me procurou, não pensei duas vezes. Já tínhamos acordo há bastante tempo. Estava ansioso porque não podia anunciar.
Função em campo
Jogador tem que se adaptar a fazer várias funções. Eu tenho essa facilidade de jogar pelo meio, centralizado, ou aberto pela ponta, caindo por dentro. Isso é opção do treinador. Ele vai ver o que é melhor para a equipe.
Escolha pelo Flamengo
Acho que é um pouco de tudo isso. Desde a primeira conversa que tive com o Rodrigo, que me mostrou que o presidente reestruturou o Flamengo. É um clube que vai estar sempre brigando por títulos. Tem um elenco forte, jogadores campeões, isso tudo e a grandeza do Flamengo me fizeram querer jogar no Flamengo. A torcida é um espetáculo à parte. Sem dúvida, já joguei contra e sei que motiva eles junto com os jogadores. Fica difícil jogar aqui em casa.
Pistas "enigmáticas" da esposa
Dávamos muitas risadas. Na verdade era um corvo, que fica passando lá perto de casa. Na verdade, era um corvo, transformaram em urubu, o que foi engraçado. Mas foi muito gratificante. Torcida abraçando, passando energia positiva. Com certeza vamos ter um bom relacionamento, que já começou desde a internet.
Pressão da torcida e obrigação de ganhar títulos.
É obrigação o Flamengo estar sempre brigando por títulos, pela grandeza, pelos jogadores, pela estrutura. Temos chances, venho acompanhando. Já estávamos há um tempo apalavrados. Jogadores experientes, campeões. Cada jogo é importante, o Campeonato Brasileiro tem em todo jogo é uma final praticamente. Cada ponto conta muito. Vamos somando pontos, vencendo jogos, e temos que estar brigando até o final para dar aquela arrancada e sermos campeões se Deus quiser.
Deu para perceber tamanho do Flamengo?
Deu para perceber. Torcida muito apaixonada. Vai cobrar na hora que tiver que cobrar. Nos dá força, suporte muito grande, para continuarmos correndo, lutando sempre. O Flamengo é enorme, gigante. É uma pressão, mas uma pressão boa. Juntos vamos trazer títulos.
Acompanhou a eliminação na Libertadores?
Não estava nos planos, mas futebol é assim. Mesmo tendo elenco forte e um time muito bom, às vezes acontece. Mas já foi superado. Tenho certeza que aprendemos com os erros. Agora é colocar em prática o que for aprendido com as derrotas. Os mesmos três pontos da primeira rodada têm o mesmo valor da última. Tem de estar sempre focado, pensando em vencer fora de casa. Isso o time já tem. Tem uma equipe muito forte. Não são só 11 jogadores.
Jogar com Guerrero e Diego
Jogadores consagrados, tanto em clubes como na seleção. Jogadores de caráter, sempre brigando pelo clube, jogadores de grupo, não têm vaidade. É um prazer jogar ao lado deles e de todo elenco. Tenho certeza que vou poder ajudar esse grande grupo.
Sonho de jogar no Flamengo
Mesmo sendo de São Paulo, a grandeza do Flamengo atinge o mundo inteiro. Ver o Maracanã lotado, esse manto sendo campeão... Toda criança quando vê essa camisa, vê essas cores sonha um dia estar jogando por esse grande clube e comigo não é diferente. Grandes craques passaram por aqui e hoje estou tendo essa oportunidade de realizar meu sonho que é vestir a camisa do Flamengo.
Preferência por atuar pelo lado direito
Jogo pela direita há um bom tempo, até no meu último clube atuava bastante pela direita. Creio que posso ajudar. Ver com o professor onde vou ajudar mais para poder ajudar a equipe a conquistar título, com muita raça sempre.
"Conselho" de novos companheiros?
Acabei não tendo nenhum contato. Só joguei com o Everton e o Damião. Conversei muito com o Rodrigo, que o clube vem crescendo. Tudo o que vem se criando para poder dar essa estrutura para nós jogadores. Estou muito tranquilo. Venho muito confiante para fazer um belo trabalho. Estou à disposição.
Escolha da camisa 7
O sete é uma referência bíblica, número perfeito. Me traz segurança. Casei no dia 7. E, como o Rodrigo tinha me dito, a torcida já estava fazendo ligações com o hepta para o Flamengo. Tudo acabou conspirando para eu usar a 7.
Lembranças de quando atuou contra o Fla, pelo Cruzeiro
Maracanã lotado, com a nação empurrando os 90 minutos. Eu ficava imaginando poder jogar a favor. E hoje estou muito feliz com a recepção que estou tendo. Quando a recepção é assim, tem tudo para dar certo. Vamos ser felizes juntos.

Fonte: Globo Esporte
Leia Mais ››

Anvisa e PF fazem operação para combater falsificação de implantes dentários em Curitiba e Região


Agentes da Polícia Federal (PF) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cumprem a segunda fase da Operação Fake na manhã desta terça-feira (6) em Curitiba e em cidades da região metropolitana. A ação mira cinco empresas suspeitas de fabricar implantes dentários falsificados.
Até as 12h30, não havia detalhes sobre mandados judiciais.
Conforme a Anvisa, a operação já apreendeu 75 mil implantes falsificados em São Paulo, Goiânia e João Pessoa. As peças seriam distribuídas para todo o Brasil e para o exterior.
O uso de implantes dentários falsificados pode provocar sérios riscos à saúde do paciente, como rejeição, perda óssea e infecções, entre outros, ainda de acordo com a Anvisa.
A falsificação de implante é considerada como crime hediondo, previsto no artigo nº 273 do Código Penal, podendo acarretar penas de dez a 15 anos de prisão em regime fechado.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Sobrinho diz que exumação do corpo de Garrincha foi autorizado há dez anos


Na segunda-feira (5), o delegado Antônio Silvino, da 66ª DP (Piabetá) que investiga o sumiço dos restos mortais do bicampeão brasileiro Garrincha, ouviu o depoimento da filha do jogador, Rosângela Cunha dos Santos, da funcionária da Prefeitura de Magé que administra o cemitério e de um sobrinho do jogador que seria o dono atual da sepultura da família.
O sobrinho disse que durante o enterro de um outro parente há dez anos, eles perceberam que o túmulo já estava vazio. O problema é que o nome de Garrincha também está em monumento criado na cidade em 1985, dois anos depois da morte. Mas não há documentos que comprovem que os restos mortais foram transferidos.
De acordo com o sobrinho, a mãe dele e irmã de Garrincha, já falecida, autorizou a exumação do corpo muitos anos depois, mas também não há detalhes do paradeiro dos ossos. Se isso estiver confirmado, o delegado acredita que não há crime de violação de sepultura.
Na semana passada, a filha do jogador falou sobre a confusão e disse que o corpo do pai foi retirado do jazigo da família porque outro familiar precisou ser enterrado lá. Segundo ela, nenhuma das filhas participou da exumação nem tem qualquer documento que comprove que o corpo foi retirado do túmulo.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Palco de Luan Santana desabou por excesso de peso, aponta laudo

Palco desabou minutos antes da apresentação do cantor Luan Santana em Catanduva (Foto: Reprodução/TV TEM)

O desabamento de parte do palco do cantor Luan Santana montado no rodeio de Catanduva (SP), em abril, pode ter sido causada por excesso de peso, segundo o laudo do Instituto de Criminalística, que a TV TEM teve acesso. O cantor chegou a comentar o ocorrido após o show.
“Juro que, em dez anos de carreira, nunca tinha visto acontecer na minha vida. Infelizmente foi aqui em Catanduva que aconteceu. A estrutura do palco, antes um pouquinho de começar o show, a estrutura cedeu do lado de cá”, afirmou o cantor durante o show.
O laudo diz que a provável causa técnica da queda está relacionada à sobrecarga sobre parte da estrutura principal do evento. Na parte do palco que desabou havia um espaço reservado em uma espécie de camarim onde estavam músicos, produtores e alguns fãs de Luan Santana.
O acidente aconteceu momentos antes de o cantor subir ao palco e seis pessoas ficaram feridas, mas nenhuma em estado grave.
O advogado da organização do rodeio disse que ainda não teve acesso ao laudo, mas que se o documento for conclusivo e apontar de quem foi a falha, vai acionar judicialmente os responsáveis. O inquérito sobre o caso ainda não foi concluído pela polícia.

Laudo aponta sobrecarga nas considerações finais (Foto: Reprodução/TV TEM)
Laudo aponta sobrecarga nas considerações finais (Foto: Reprodução/TV TEM)

O acidente
Parte do palco do rodeio de Catanduva cedeu, na madrugada do dia 23 abril, e feriu seis fãs do cantor Luan Santana minutos antes da apresentação começar. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, as vítimas estavam em uma área reservada do palco, no canto direito atrás, quando o acidente aconteceu, por volta da uma da madrugada.
Na época, segundo Cláudio Romanholi, organizador do evento, o que pode ter acontecido para parte do palco ceder foi a forte chuva que atingiu a cidade no dia do show.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, o show tinha autorização e vistoria aprovada e o palco tinha um laudo técnico do engenheiro responsável.

Palco de Luan Santana desaba em rodeio de Catanduva  (Foto: André Modesto/TV TEM)
Palco de Luan Santana desaba em rodeio de Catanduva (Foto: André Modesto/TV TEM)

Fã é levado para hospital após palco ceder (Foto: Tél Patané/Catanduva Show)
Fã é levado para hospital após palco ceder (Foto: Tél Patané/Catanduva Show)

Fonte: G1
Leia Mais ››

Veleiro é invadido e saqueado por 'piratas' no acesso ao Porto de Santos, SP

Valeiro 'Azul Marinho' foi alvo de criminosos no acesso ao Porto de Santos, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Um velejador foi mantido refém ao ter a embarcação invadida por três rapazes armados, enquanto navegava nas proximidades da Fortaleza da Barra, em Guarujá, no litoral de São Paulo, no fim de semana. Os criminosos fugiram em um barco menor, em direção ao bairro Santa Cruz dos Navegantes.
O crime ocorreu na tarde de sábado (3). "Era uma estreia, já que eu tinha acabado de reformar todo o veleiro. Mas bem em frente ao forte, eu olhei para trás e vi três armas apontadas para mim", lembra Irineu Bottiglieri, de 69 anos, único a bordo no momento do crime.
"Dois deles entraram no veleiro. Eles me perguntaram se tinha mais alguém no barco, e eu falei que não. Em seguida, um sentou ao meu lado, apontando a arma, e o outro foi procurar as coisas", conta. A ação foi rápida e durou pouco menos de 10 minutos.
O local do crime, indicado pelo velejador, localiza-se entre as cidades de Guarujá e Santos, e serve de acesso ao complexo portuário, a marinas e clubes náuticos. "Com certeza, quem estava olhando do lado de Santos viu o que aconteceu. Talvez não tenha reparado", diz.

Local do crime fica entre Guarujá e Santos, no acesso ao Porto (Foto: José Claudio Pimentel/G1)
Local do crime fica entre Guarujá e Santos, no acesso ao Porto (Foto: José Claudio Pimentel/G1)

Na varredura, os criminosos conseguiram encontrar uma quantia em dinheiro e bens pessoais da vítima, que mora em São Paulo. O prejuízo aproximado é de R$ 2 mil. "Ele são da faixa dos 20 anos e fugiram em direção à Pouca Farinha (Santa Cruz dos Navegantes)", afirma.
Em seguida, Irineu, que não ficou ferido, retornou à sede náutica de um clube, onde o barco fica atracado. "Eu poderia ter acionado alguém via rádio, mas resolvi voltar e pedir ajuda. Não sabia o que, de fato, estava acontecendo e quem eram os caras", explica.
No local, funcionários prestaram auxílio. "A gente acionou a polícia e os líderes da comunidade na mesma hora. Todos sabem quem são os caras. No domingo (4), a polícia foi à comunidade, mas não conseguiu achá-los", conta o diretor náutico do clube, Ronei Figueiras Alves.
"O problema é que isso (crime no mar) está se tornando cada vez mais comum. Não há quem, de fato, faça a segurança no mar. Chegou ao ponto da gente pensar em contratar seguranças particulares", relata o diretor. Ele teme eventuais prejuízos ao setor na região.

Ocorrência seria apresentada no 3º DP de Santos, que estava fechado (Foto: Jéssica Bitencourt/G1)
Ocorrência seria apresentada no 3º DP de Santos, que estava fechado (Foto: Jéssica Bitencourt/G1)

Em 13 de maio, três pescadores foram obrigados a abandonar uma lancha nas proximidades da Ilha das Palmas, também em Guarujá. Armados, três rapazes em uma embarcação menor fugiram com o barco das vítimas, que foram deixadas em um rochedo nas proximidades.
Neste caso, o velejador tentou registrar o crime no 3º Distrito Policial de Santos, na Ponta da Praia, mas o encontrou fechado - aos finais de semana ele não funciona. A falta de policiais é alvo de denúncia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do sindicato da categoria.
"Falaram para eu ir à delegacia do Centro (onde funciona o plantão da Central de Polícia Judiciária de Santos). Não fui, pois não sabia chegar. Eu estava de moto e meu medo era ser roubado novamente, daí seriam dois boletins: um de terra e outro do mar", explicou.
Irineu disse que já mandou fazer novos documentos e aguarda a emissão deles para retornar ao litoral e registrar o crime. "Em quase 70 anos, foi a primeira vez que eu fui assaltado. Depois disso, infelizmente, penso em vender o barco”, desabafou.
A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), informou que não foi notificada sobre o crime. Mesmo assim, disse que a função da autoridade marítima é de garantir a segurança do tráfego aquaviário, e não de casos de segurança pública.
A Polícia Federal, que pela legislação tem a atribuição de polícia marítima, disse que ficou ciente do ocorrido, mas também afirmou que o procedimento de investigação, nesse caso, cabe à Polícia Civil. Como a ocorrência ainda não foi registrada, não há inquérito instaurado.

Fonte: G1
Leia Mais ››

FBI prende funcionária que vazou informações secretas sobre ciberataque russo


Uma funcionária terceirizada do governo norte-americano, Reality Leigh Winner, 25, foi presa nesta segunda-feira (5) pela polícia federal (FBI) por ter vazado informações classificadas para um site de notícias.
O Departamento de Justiça dos EUA formalizou uma acusação contra Winner, uma funcionária temporária da Pluribus International Corporation, empresa que presta serviços para o governo federal dos Estados Unidos, por ter “se apropriado de material sigiloso de uma estrutura do governo e tê-lo enviado para um site de notícias”.
O veículo seria o site The Intercept, do jornalista Glenn Greenwald, que publicou uma matéria baseada em um documento secreto da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em imnglês) dos EUA.
O documento vazado traria informações detalhadas de um ataque cibernético realizado pela inteligência militar russa em 2016 contra o software utilizado nas eleições dos Estados Unidos, segundo a rede CNN. Não há, entretanto, nenhuma evidência que a eleição presidencial, na qual Donald Trump foi eleito presidente, tenha sido influenciada por esse ataque.
Funcionários do governo dos EUA confirmaram a veracidade do documento publicado pelo The Intercept. Os procuradores americanos informaram que, quando interrogada, Winner admitiu ter intencionalmente vazado o documento sigiloso. Por isso, a jovem foi presa no sábado (3) na cidade de Augusta, no estado da Geórgia.
Uma investigação interna revelou que Winner foi uma das seis pessoas que imprimiram o documento, mas foi a única que tinha em sua caixa postal eletrônica o endereço email do site de notícias. A diretora de comunicação do The Intercept, Vivian Siu, informou à CNN que “o documento foi obtido de forma anônima” e que o “site não tem nenhuma informação sobre a identidade da fonte”.
Winner pode ser condenada a até 10 anos de prisão por ter vazado informações classificadas.

Fonte: G1
Leia Mais ››

Justiça italiana determina libertação de um dos chefes mais sanguinários da máfia


O Supremo Tribunal de Justiça da Itália determinou que o "poderoso chefão" da máfia siciliana, Totó Riina, pode sair da prisão para “morrer com dignidade” em sua casa. Riina, um dos mais sanguinários mafiosos da história da Itália, tanto que ganhou o apelido de “o animal” entre os próprios integrantes do grupo criminoso, está preso desde 1993 e foi condenado dezessete vezes a penas de prisão perpétua por uma longa série de homicídios.
“O direito de morrer com dignidade tem que ser garantido para qualquer preso”, mesmo considerando o “calibre criminal” de Riina", diz a decisão do STJ italiano, que intimou o juiz da Corte de Bolonha, competente em analisar o pedido de liberação de Riina, a reabrir o caso. Até hoje, todas as petições apresentadas pelos advogados de Riina foram rejeitadas pelos juízes.
Segundo o STJ italiano, é necessário verificar se Riina ainda representa uma ameaça à sociedade, considerando sua idade (86 anos) e suas graves condições de saúde (o mafioso sofre de numerosas patologias cardíacas, nervosas e renais).
A decisão do STJ italiano provocou reações enfurecidas das famílias das vítimas de Riina. “Os nossos parentes não tiveram mortes dignas”, protestou a associação dos familiares das vítimas da máfia. Outra razão que gerou protestos foi o fato que a decisão da Justiça da Itália não é comum. Outros poderosos chefões, como Bernardo Provenzano o Luciano Liggio, terminaram seus dias atrás das grades.
Chefe dos chefes
Salvatore Riina, chamado de Totó, foi chefe da Máfia siciliana desde 1982 até sua prisão, ocorrida em 15 de janeiro de 1993. Mas sua carreira criminal começou aos 19 anos, em 1949, quando matou a primeira pessoa, e prosseguiu registrando mais de 200 homicídios realizados com suas próprias mãos ou encomendados.
Entre eles, os atentados que assassinaram os juízes Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, em 1992. Falcone foi morto junto a sua mulher e aos policiais da segurança em um ataque a bomba que destruiu uma rodovia inteira em Capaci, perto de Palermo. Borsellino foi assassinado junto aos policiais que garantiam sua segurança com um carro bomba posicionado perto da casa da mãe, em Palermo, que ele visitava toda semana. Naquela época, a cidade siciliana era chamada de “Beirute da Europa”, pelo elevado número de homicídios na rua e de carros-bomba que explodiam em suas estradas. Quase todos organizados por Riina, que, não por acaso, era extremamente temido entre os mafiosos.

Riina ficou foragido da Justiça italiana por 23 anos. Mas isso não o impediu de se casar e ter quatro filhos, todos regularmente registrados nos órgãos públicos e batizados em igrejas. Chefe da família dos Corleonesi, Riina desencadeou uma guerra de máfia violentíssima contra a famílias rivais que ensanguentou a Itália entre os anos 1970 e 1980.
Sua ascensão até a cúpula da organização mafiosa ocorreu através de homicídios de outros chefes, sequestros, controle da prostituição, extorsão e, principalmente, tráfico de drogas. Riina eliminou com violência a velha guarda dos chefões mafiosos que eram contrários a se envolver com o tráfico de entorpecentes e chegou a um poder econômico e político tal que conseguiu até eleger um mafioso como prefeito de Palermo: Vito Ciancimino.
Após sua captura, a Justiça italiana o considerou tão perigoso que o condenou não somente a prisão perpétua, mas ao regime carcerário duro do “41 bis”, ou seja, sem nenhum tipo de contato com o mundo externo, nem com sua família nem com seus advogados. A única forma encontrada para evitar que o chefão dos chefões continuasse a controlar seu império.

Fonte: G1
Leia Mais ››

MPF acusa Henrique de receber propina de quatro empreiteiras


O procurador da República Rodrigo Teles disse haver indícios de que o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves, preso hoje (6) em Natal, solicitou e recebeu recursos ilícitos de ao menos quatro empreiteiras para sua campanha ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014, da qual saiu derrotado.

Segundo a investigação, ao menos R$ 7,5 milhões em recursos ilícitos teriam sido recebidos pelo ex-ministro, que também usou o dinheiro para despesas pessoais.

Uma das empresas envolvidas foi a OAS, responsável pela construção da Arena das Dunas, sede da Copa do Mundo de 2014 em Natal. As investigações in dicam que Alves atuou junto ao Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte para atrasar em anos as ações de fiscalização do órgão, que havia identificado o superfaturamento da obra.

Em troca, o político recebeu uma doação oficial de R$ 3 milhões da OAS por meio Diretório Estadual do PMDB, afirmaram os investigadores, bem como outros R$ 650 mil diretamente. Negociações parecidas teriam ocorrido junto às empreiteiras Odebrecht (R$ 3 milhões não declarados), Carioca Engenharia (R$ 400 mil) e Andrade Gutierrez (R$ 100 mil).

As investigações foram conduzidas em parceira com a Receita Federal e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que apontaram operações suspeitas, como o saque de grandes quantias em dinheiro a poucos de dias da eleição de 2014.

“A gente analisando a propria época desses saques de valores em espécie nota, inclusive, um saque de R$ 2 milhões em espécie poucos dias antes do segundo turno, o que gerou a suspeita de que esses recursos possam ter sido utilizados para a compra de votos”, afirmou o procurador Rodrigo Teles.

Segundo os procuradores responsáveis pelo caso, Henrique Eduardo Alves teria oferecido a todas as empresas sua influência nos poderes Executivo, Legislativo e, inclusive, Judiciário em troca de propina. Ele teria agido também em conjunto com o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Nesta quarta-feira, a Polícia Federal cumpriu cinco mandados de prisão preventiva na Operação Manus, incluindo aquele contra Henrique Eduardo Alves, além de seis mandados de condução coercitiva, quando a pessoa é levada forçadamente a depor, e 22 ordens de busca e apreensão. O ex-ministro permanecerá preso em Natal, informou a PF.

Ele também investigado em um caso paralelo, conduzido pela Procuradoria da República do Distrito Federal, no qual é suspeito de ocultar R$ 20 milhões em contas no exterior. A Agência Brasil entrou em contato com a defesa de Henrique Eduardo Alves e aguarda retorno.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

Menino sírio que comoveu o mundo aparece saudável


O pequeno Omran Daqneesh, fotografado no ano passado coberto de poeira e sangue na cidade síria de Alepo, apareceu saudável em algumas reportagens de TV da Síria, Líbano e Rússia

A foto, que se espalhou pelo mundo e comoveu a todos, foi tirada pelo fotógrafo Mahmud Rslan, de 27 anos. O menino, na época com 5 anos, acabava de ser levado para dentro de uma ambulância depois de ser resgatado da própria casa, alvo de um bombardeio.

Com a imagem, veio o alerta para o drama vivido pelos civis em meio ao devastador conflito no país. Em vídeos do momento do resgate, Omran olha para tudo ao seu redor, leva a mão ao rosto, vê o sangue e tenta limpar no banco em que está sentado.

Fonte: Portal no Ar
Leia Mais ››

FIERN vai elaborar projetos técnicos de recuperação do QG da Polícia


O presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, e o comandante da Polícia Militar, Coronel André Azevedo, assinaram nesta segunda-feira, 05, na Casa da Indústria, convênio visando à elaboração de projetos para recuperação do Quartel da Polícia Militar. O prédio, construído na década de 1940, nunca passou por uma ampla reforma e apresenta hoje uma situação precária de funcionamento.

Pelo convênio será feito um Relatório Técnico contemplando a solução de esgotamento sanitário, abastecimento predial, drenagem de águas pluviais e plano de gerenciamento de resíduos sólidos, e Projetos de arquitetura e lay out; Projetos técnicos de instalações hidrossanitárias; Projetos técnicos de drenagem de águas pluviais e Projetos técnicos de instalações de proteção e combate a incêndio, entre outros.

Participaram da assinatura do convênio oficiais das unidades da Polícia Militar de Natal e gestores da FIERN, SESI, SENAI e IEL.

O Coronel André Azevedo agradeceu o apoio da Federação das Indústrias e destacou o simbolismo da ação por tratar-se de um prédio histórico para a Polícia Militar do Rio Grande do Norte. A idéia é que os projetos técnicos viabilizem a alocação de recursos junto ao próprio Governo do Estado, seja através de projetos como o RN Sustentável, seja junto a outros órgãos governamentais.

O presidente Amaro Sales disse que a iniciativa privada não pode deixar de oferecer sua contribuição à sociedade. “Cada cidadão tem o dever de dar sua contribuição”, disse o industrial. Para ele, a questão da violência, por exemplo, não é uma questão apenas do governo do estado e todos devem ajudar a superar a grave situação porque passa o estado nessa área.

Fonte: Fiern
Leia Mais ››